Redação E-Commerce Brasil

Mercado Livre contrata 60 carretas para entregas e terá mais 90 até dezembro

Quarta-feira, 26 de agosto de 2020   Tempo de leitura: 2 minutos

O Mercado Livre contratou nesta semana 60 carretas para ajudar nas entregas de encomendas, à medida que o maior portal de comércio eletrônico da América Latina busca meios para dar vazão ao aumento expressivo das operações devido à pandemia do coronavírus e depender menos de terceiros.

Os caminhões com capacidade média para transportar em média 5 mil pacotes cada serão usados entre os três centros logísticos do Mercado Livre no país (dois em São Paulo e um na Bahia) e centrais menores para Rio de Janeiro, Distrito Federal, Goiás, Paraná e Rio Grande do Sul e mesmo cidades no interior paulista.

Até agora, a empresa usava os caminhões de forma avulsa e, com a manutenção do elevado nível de encomendas decidiu “envelopar” os veículos com as cores e o logotipo da companhia, resultado de contratos firmados nesta semana para operação dedicada.

“Até o fim do ano, devemos estar operando com cerca de 150 dessas carretas”, disse Leandro Bassoi, vice-presidente do Mercado Envios, braço de logística do Mercado Livre, à Reuters.

Segundo o executivo, os caminhões são contratados de pequenas empresas de logística espalhadas pelo país. Não há planos do Mercado Livre de ter uma malha própria, disse ele.

Leia também: Mercado Livre firma parceria com Totvs para ajudar pequenos varejistas

Expansão em meio à pandemia

O movimento ocorre em meio à forte expansão do comércio eletrônico, acelerada desde março com o fechamento do varejo físico pelas medidas de isolamento social.

A transportadora Braspress acertou no início do mês a compra de 235 caminhões extra-pesados da Mercedes-Benz para atender demandas de clientes do e-commerce. E o Grupo Vamos anunciou na segunda-feira (24) a compra de 1.350 caminhões da Volkswagen, o equivalente a cerca 10% de sua frota atual de aluguel de veículos comerciais de 14 mil unidades.

Leia também: Vendas do Mercado Livre chegam a US$ 5 bi no 2º trimestre, alta de 101,5%

As informações são da Reuters

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.