Redação E-Commerce Brasil

Martha Seillier: “Governo quer ‘filé com osso’ na venda dos Correios”

Terça-feira, 13 de outubro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

O governo pretende abrir um cardápio de opções para trabalhar com a privatização dos Correios por meio de um projeto de lei que será enviado ainda neste ano ao Congresso. Em entrevista ao Estadão/Broadcast, a secretária do Programa de Parcerias e Investimento (PPI) do Ministério da Economia, Martha Seillier, afirma que, em qualquer alternativa, será mantido o atendimento dos serviços postais para 95% da população, da mesma forma que é hoje — com possibilidade de até aumentar.

“Em todas as alternativas possíveis trabalhamos com o modelo ‘filé com osso’ — trabalhar subsídio cruzado entre municípios mais rentáveis e menos rentáveis”, disse à publicação. Segundo Seillier, a diretriz da desestatização não é vender e fazer caixa. “A diretriz é tornar mais eficiente uma empresa que hoje sofre as consequências de ser uma empresa pública, em termos de engessamento”.

“O PL parte da premissa de que o serviço postal tem de continuar sendo universal. É trazer investidor, ou investidores, com obrigações em relação à universalização do atendimento e à modicidade dos preços de alguma maneira. O principal objetivo é abrir a possibilidade da desestatização. Seja por venda de participações, em que se possibilita que a empresa se torne uma sociedade de economia mista; possibilita que tenha venda de controle minoritário ou majoritário no futuro; possibilita que tenha delegação dos serviços por meio de contrato em que uma empresa prestaria os serviços pelos Correios”, afirmou na entrevista.

Como a expectativa é enviar o projeto de lei ao Congresso ainda neste ano, Seillier disse que trabalham com o cronograma de leilão ainda no fim de 2021.

Leia também: PL quer acabar com possibilidade de concessão de serviços postais

Atendimento dos Correios em todos os lugares?

De acordo com a secretária, não podemos ter desatendimento de cidades, já que os Correios estão presentes em praticamente todos os municípios. “Então, mesmo que seja uma empresa só prestando serviços no lugar dos Correios, e não por blocos, ela vai ter de ter subsídio cruzado entre municípios mais rentáveis e menos rentáveis (‘filé com osso’)”.

“A premissa é que não tenhamos desatendimento de cidades em função da desestatização. Sobre a forma, eu preciso de fato ter agência em todas as cidades ou eu posso ter parcerias com braços de outras áreas que me garantam atendimento da mesma forma a todas as cidades com eficiência, agilidade?”, questionou.

Sobre o interesse de empresas na privatização dos Correios, como afirmou o ministro das Comunicações, Fábio Faria, Seillier afirmou que já fizeram uma rodada de diálogo com o mercado sobre setor postal. “Ficou muito claro que os grandes players do segmento de vendas online têm muito interesse em não necessariamente adquirir essa empresa, mas em acompanhar o processo. Como não evoluímos ainda na definição da modelagem, é muito difícil dizer: ‘tal empresa tem interesse ou não tem interesse’”.

Leia também: Correios e outras estatais já têm acordo de privatização, revela jornal

Com informações do Estadão/Broadcast

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.