Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Marketplace da Amazon chega ao Brasil com menor taxa de comissão do mercado

Quarta-feira, 18 de outubro de 2017   Tempo de leitura: 5 minutos

Na recepção do escritório da Amazon, na região da Vila Olímpia, Zona Sul de São Paulo, o clima era parecido com o do tradicional “trote” de calouros que chegam à Universidade: olhos curiosos de funcionários recém-contratados, ainda perdidos e “explorando o território”. A mesma sensação de “o que vai acontecer agora?” era vivenciada nos escritórios dos concorrentes.

Não à toa. Nesta quarta-feira, o maior e-commerce dos Estados Unidos desembarcou para valer no Brasil e passou a vender, depois de cinco anos apenas no mercado de livros, os tão desejados produtos eletrônicos.

A notícia abalou o mercado, que viu a B2W, um dos maiores marketplaces do país, perder 18% de seu valor na bolsa, além do Mercado Livre, que depois de especulações de que seria comprado pela gigante americana, teria perdido US$ 1 bilhão. Nem o Magazine Luiza escapou da torrente de especulações.

Já dentro da sala de reuniões, o sereno Alex Szapiro, Country Manager da Amazon no país, comemorava o lançamento no mercado de eletrônicos. “Estamos muito felizes por anunciar que a Amazon começa a operação de eletrônicos no Brasil nesta quarta-feira”, disse, animado, à redação do E-Commerce Brasil.

Para ele, a escolha da nova categoria vai ao encontro da demanda do consumidor brasileiro “apaixonado por livros e por eletrônicos”. “Eu gostava muito de contestar a frase: ‘o brasileiro não lê’”, defendeu. “Na nossa visão, achávamos o contrário: o brasileiro gosta muito de ler. O que acontece é que não lia porque tinha dificuldade de encontrar livros”, justificou.

Mas as obras literárias foram apenas um laboratório para a Amazon experimentar a operação no país. A gigante americana foi expandindo o mix de produtos aos poucos: no início, eram 13 mil livros em português; em 2014, chegaram os Kindles e a plataforma de autopublicação que, segundo Szapiro, estimulou significativamente o mercado de escritores no país. “Hoje, de cada 100 livros vendidos (best-sellers) na Amazon Digital, 30 são de autopublicações”, conta.

Em seguida, foi a vez do serviço de assinaturas: um acervo de mais de 1 milhão de livros pelo atraente preço de R$ 19,90. Em abril de 2014, os livros físicos ganharam espaço na plataforma. Hoje, já são mais de 350 mil itens em português e mais de 13 milhões considerando outras línguas.

Agora, chegou a vez de mais de 110 mil eletrônicos que serão vendidos pela plataforma chegarem até as mãos dos consumidores brasileiros. “Queremos repetir a experiência bem-sucedida dos livros no segmento de eletroeletrônicos. Não queremos olhar apenas para os itens mais vendidos no Brasil e ter a certeza de que temos que ter um número grande de vendedores em cada oferta, mas temos uma obsessão grande pela cauda longa”, adiantou Szapiro.

E, apesar da euforia da notícia, a Amazon continua “com os pés no chão”. A principal preocupação da empresa, segundo Szapiro, é usar a tecnologia e o know-how adquiridos em outros países para proporcionar uma grande experiência positiva tanto para consumidores finais quanto lojistas.

“Funcionamos com base no ‘círculo virtuoso’: melhor oferta, com um catálogo crescente e mais conveniência. Temos obsessão pelo seller e pelo consumidor”, enfatizou.

Entre as principais vantagens de vender produtos pela Amazon, Szapiro citou a taxa única que será cobrada inicialmente dos lojistas – o valor promocional, de 10%, não tem data definida para expirar – e o mecanismo de precificação dinâmica flexível, que permite aos lojistas definirem seus próprios preços.

“Queremos simplificar a cobrança para que o vendedor consiga saber o quanto vai ganhar em cada venda. Mesmo que o cliente parcele as compras em até 10 vezes sem juros, a taxa continuará sendo 10%* e a média de recebimento do lojista será de 14 dias, em média”, afirmou Szapiro.

Outro destaque, citado por Szapiro, é a flexibilidade da plataforma, que deve permitir ao lojista definir o custo do frete de acordo com o CEP do comprador. De acordo com o executivo, o varejista poderá escolher entre mais de 53 regiões para otimizar o preço do frete.

Em relação à dinâmica do atendimento dentro da plataforma, Szapiro explica que toda a intermediação entre comprador e vendedor pode ser feita por meio de um centro de controle, em tempo real, onde o lojista consegue acompanhar as mensagens, perguntas e reclamações dos clientes. “É importante lembrar que o tempo de resposta das solicitações pode variar de acordo com o lojista”, ressaltou.

Essa agilidade do lado de cá do balcão vai impactar também a reputação da loja dentro da plataforma, como já é de costume nos outros marketplaces. Por isso, a Amazon estipulou um prazo de até 48 horas para os varejistas despacharem os pedidos. “Se o seller não fizer o despacho do produto no prazo, ele pode ser penalizado e perder relevância no BuyBox, mesmo que tenha o melhor preço”, alertou.

Como a empresa não será responsável pela entrega dos eletrônicos (ao contrário do que ocorre no caso dos livros), a aposta será controlar muito bem os processos para a operação sair sem ruídos.

“Estamos integrados aos Correios e mesmo se optarem por outros players de logística é possível disponibilizar o tracking para que o consumidor final faça o rastreamento do produto”, exemplificou.

“De qualquer forma, a comunicação entre os dois é completamente aberta e cada empresa definirá sua própria metodologia. Se houver problema, o consumidor vai avaliar negativamente e a Amazon vai intervir”, explicou.

Do lado do consumidor, o estorno fica garantido por meio do “Garantia de A a Z”, política de reembolso da empresa, nos casos em que o cliente não conseguir uma resposta do vendedor após dois dias úteis de tentativa, atraso na entrega, defeito do produto, entre outros.

“A responsabilidade é nossa no caso de o consumidor ter algum problema com o vendedor. Mas fazemos o reembolso depois de averiguarmos que ele é realmente merecido.”

Do lado do vendedor, a Amazon garante o repasse do dinheiro em, em média, 14 dias, após o consumidor receber o produto. “Todos os algoritmos e o desenvolvimento tecnológico trabalham para ter certeza de que o vendedor terá a melhor oferta e o melhor serviço”, disse.

Alex Szapiro, Country Manager da Amazon no Brasil – Foto: Julio Vilela

Sem limites para quem quer vender

Reconhecida mundialmente por sua eficiência logística, a Amazon não teme que a infraestrutura do Brasil atrapalhe a operação do marketplace de eletrônicos. Szapiro é categórico ao afirmar que não enxerga a infraestrutura brasileira como precária.

“Temos, sim, o desafio de entrega por estarmos em um país com dimensões continentais, mas hoje existem empresas que chegam basicamente a qualquer canto do Brasil”, cravou Szapiro.

Em comparação com o mercado indiano – onde em muitos locais não há sequer CEP -, o presidente acredita que a entrega no Brasil seja muito mais possível. “O desafio então é chegar mais rápido e ser mais pontual.”

E o primeiro teste de eficiência operacional dos varejistas da Amazon pode acontecer no dia 24 de novembro. Segundo estimativas do Google, a Black Friday deve movimentar R$ 2,2 bilhões este ano, número confirmado também pelo E-bit.

Coincidentemente, a categoria de eletrônicos lidera o ranking de intenção de compras, sendo o setor preferido de 34% dos consumidores, seguido por eletrodomésticos (27%), informática (24%), telefonia e celulares (23%). O Mercado Livre, por exemplo, declarou que vai aumentar em 50% os investimentos de marketing para impulsionar as vendas da data.

Para Szapiro, o lançamento do marketplace próximo à data da Black Friday foi uma mera coincidência. “Não estamos fazendo o lançamento por conta da Black Friday, muito pelo contrário: vamos ter promoções constantes. Queremos trazer promoções diferentes sempre para o consumidor comprar na Amazon”, disse.

Os lojistas, inclusive, decidiram estrear na plataforma já com descontos, segundo o executivo. “Quem entrar hoje no ‘Go Box’, área de promoções do site, vai ver as ofertas. E quem comprar qualquer produto nas próximas semanas ganha um e-book”, informou, no melhor estilo vendedor.

Adepta da cultura de “longo prazo”, Szapiro não quis comentar sobre planos futuros do e-commerce, como a possibilidade de expandir o Amazon Prime para o Brasil. Mas, como toda estratégia à la Amazon, podemos esperar por mais novidades em momentos oportunos. “Não olhamos o mês e nem o trimestre. Estamos sempre de olhos nos próximos anos”, finalizou.

*A porcentagem da comissão promocional para o Plano de Vendas Individual será de 10% de cada transação, mais R$ 2 por item. Quem optar pelo Plano de Vendas Profissional pagará os mesmos 10% por cada transação e uma mensalidade de R$ 19 sem precisar pagar o valor de R$ 2 por item.

Alice Wakai para a Redação E-Commerce Brasil

Leia mais sobre o assunto:

Com expansão da Amazon, B2W investirá em serviço ‘prime’ e usados, diz jornal

Amazon vale o dobro do Walmart. O que isso significa?

Amazon no Brasil: o mercado vai ter que mudar na marra. Sua loja está preparada?

Kindle é o produto mais procurado para a Black Friday, diz SimilarWeb

Case da Meu Móvel de Madeira na Amazon europeia

Confira o estudo Atlas Radar Eletrônicos 2017

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.