Redação E-Commerce Brasil

Japão passará a exigir mais transparência das gigantes da tecnologia

Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

No início desta semana, o gabinete do Japão propôs um projeto de lei que visa, como relatado pelo diário nacional do país, The Mainichi , “melhorar a transparência do contrato” para negócios firmados por empresas de Big Tech — especificamente, operadores de plataforma — e seus pequenos fornecedores.

A legislação exige que empresas como Amazon, Google, Apple, entre outras, publiquem relatórios anuais ao governo (ao Ministério da Economia, Comércio e Indústria) que detalhem como os termos, condições e taxas são declarados.

Em termos de cronograma, conforme relatado, a passagem está prevista para a atual sessão parlamentar e entrará em vigor em março do próximo ano.

Intenções do projeto

Crescem as preocupações de que as principais empresas de tecnologia estão abusando de suas posições dominantes para aproveitar as empresas menores que fazem negócios em suas plataformas — geralmente alterando termos e condições unilateralmente e aumentando as taxas sem aviso prévio.

De acordo com o projeto de lei, as grandes empresas serão solicitadas a notificar os fornecedores sobre alterações nos termos do contrato. Também deverão divulgar como estabelecem regras para a exibição dos resultados da pesquisa e fornecer a eles um mecanismo para fazer reclamações.

Os esforços do Japão têm muitos motivos para acontecer. Na Índia, nas últimas semanas, a Confederação da All India Traders esteve entre os grupos que pressionam por uma política abrangente de comércio eletrônico. Críticos na Índia alegaram que empresas, como Amazon e Flipkart (do Walmart), empregaram esforços injustos de desconto e, em alguns casos, promoveram lançamentos exclusivos de marcas em suas plataformas.

No Japão, a legislação pode ter alguma urgência especial em um cenário de pressão macroeconômica.

Imposto + coronavírus

Conforme relatado pela CNBC, a economia do país, segundo os dados mais recentes, mostra uma contração no ritmo mais rápido observado em mais de meia década. Medido anualmente, o PIB contraiu mais de 6%. Isso se deve em parte a um aumento no imposto sobre vendas que agora está prejudicando os gastos dos consumidores. Adicione o coronavírus à mistura e a demanda provavelmente será prejudicada ainda mais, piorando o consumo privado — caiu 2,9%, primeira queda vista em cinco trimestres.

“O governo esperava que a economia do Japão continuasse uma recuperação moderada. Mas devemos estar vigilantes contra o impacto do coronavírus nas economias doméstica e estrangeira”, afirmou em comunicado o ministro da economia, Yasutoshi Nishimura.

Conforme relatado pela CNBC, o governo sustentou que tomará “todas as medidas necessárias” para combater essas pressões.

Incentivar pagamentos eletrônicos

O imposto sobre vendas foi aumentado de 8% para 10% no final do ano passado — e se aplica a produtos de eletrônicos a carros. É interessante notar que o aumento de impostos tem um tipo de revestimento prateado para o comércio eletrônico. Os consumidores podem obter um desconto de 5% pelos pagamentos eletrônicos feitos com varejistas menores, e esse desconto mais do que compensa o aumento da taxa de 2%.

Adicionar as últimas medidas do governo para examinar os grandes players de tecnologia parece uma tentativa de reforçar a proteção de pequenos comerciantes no Japão, além dos obstáculos iniciais que incluem o coronavírus. O mercado de comércio eletrônico do Japão, atrás apenas da China, Estados Unidos e Reino Unido, é dominado por empresas como Amazon e Rakuten.

Talvez não seja de surpreender que as Big Techs estejam prontas para recuar. Conforme relatado no JapanTimes.com, houve uma reunião com representantes do Google, Amazon, Facebook e Apple. Na ocasião, os gigantes da tecnologia se reservaram sobre as divulgações anuais, mas o governo decidiu continuar com as medidas.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.