Redação E-Commerce Brasil

IoT e Captura de dados como pilar para processos de recomendação e insights de marketing

Segunda-feira, 11 de dezembro de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

Com um crescimento exponencial de 3 unidades e 400 pessoas na equipe, o Luizalabs se apoia na cultura de desenvolvimento e metodologia ágil para escalar os negócios de tecnologia do Magazine Luiza. “Somos uma empresa digital com pontos físicos e calor humano, levando a muitos o que antes era benefícios de poucos”, disse Talita Borges Paschoini IT Manager do Luizalabs na abertura de sua palestra na Conferência E-Commerce Brasil Porto Alegre 2017.

Talita diz que a curva da geração de dados não vai parar de crescer tão cedo, principalmente devido ao barateamento da armazenagem de dados. “Uma vez que é barato e fácil armazenar dados, geramos tecnologia para produzir sistemas de recomendação, estabelecendo relações entre os dados”, explicou. Um exemplo é o banco de dados em grafos nas redes sociais que ajudou o Magazine Luiza a entender, por exemplo, o que os amigos dos amigos compraram, e enxergar a fundo o nível de influência e confiança de cada um. “Quando falamos do mundo físico como fazer essa correlação de dados? Digitalizamos os pontos físicos. Temos um ecossistema para apoiar o pós-venda e os estoquistas, abraçamos o compliance e obrigações fiscais”, explicou Talita.

Através dessas estratégias o Magazine Luiza aproximou a experiência de loja física e online. “Além disso pensamos no Analytics que é muito usado no e-commerce e tentamos aplicar algo parecido nas lojas físicas, primeiro estabelecemos a conexão de internet nas lojas e depois desenvolvemos hardware a partir de arduínos e colocamos num totem nas lojas. Ao final do dia computamos as pessoas que entravam nas lojas”, explicou Talita.

Uma outra técnica de captura de dados de quem está na loja física é pedir que ele se autentique quando conectar-se ao Wi-Fi por meio de um cadastro básico. “Outras possibilidades: recomendações diretas no device, push, SMS, análises customizadas e integração com CRM e Analytics dashboard”, completou. Talita destaca ainda que encontrou o data lake, como solução ideal de trabalho, já que os dados são armazenados em seu formato bruto (redes sociais, mobile, etc), mas podem ser selecionados e organizados de acordo com a necessidade da empresa. “As queries demoram mais, mas conseguimos alcançar objetivos mais claros”, disse.

Para ela o próximo passo é prever quantas pessoas devem visitar as lojas físicas nos próximos dias, prever os picos, além de conseguir comprar mídia regional e medir o fluxo e o ROI nos pontos físicos.
“Hoje existem kits gratuitos ou soluções parceiros e os dados in cloud ajudam muito. A previsão de visitas, por exemplos, são feitas a partir de cloud e machine learning”, concluiu.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.