Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Infoprodutos: multiplicando conteúdo com baixo investimento

Quinta-feira, 12 de setembro de 2019   Tempo de leitura: 10 minutos

Ganhar dinheiro na internet não é nada fácil, ao contrário do que prometem alguns anúncios por aí. É preciso trabalho intenso e muita dedicação. O grande objetivo é alcançar um público cada vez maior que tem preferido fazer tudo pela web, inclusive comprar os chamados infoprodutos. São itens muitas vezes intangíveis, mas que fazem a diferença na vida do consumidor.

Entre os exemplos, estão e-books, apostilas virtuais, videoaulas, cursos online e muitos outros infoprodutos. Tudo disponibilizado por arquivos de downloads ou ao vivo (streaming). O baixo investimento é o que chama atenção de quem quer entrar neste tipo de comércio eletrônico.

Para entender a importância desse movimento de compras pela web, é preciso saber que o número de usuários de internet no Brasil não para de crescer. Em dezembro de 2018, por exemplo, o IBGE divulgou que houve um aumento de 10 milhões de novos internautas no período de um ano.

Os dados constam no suplemento Tecnologias da Informação e Comunicação da Pnad Contínua, divulgado pelo IBGE, segundo a agência Brasil. Diante de tamanha presença da população na rede mundial de computadores, não é de se estranhar que, cada vez mais, o brasileiro esteja ganhando dinheiro com a internet.

Criatividade que gera lucro

Quando a ideia de criar uma plataforma de cursos online surgiu, há 6 anos, Eduardo Lima estava certo de que esse era o caminho para impactar e ajudar milhões de pessoas, capacitando pequenos empreendedores a terem sucesso.

No início, a EduK ocupava um escritório pequeno. O primeiro estúdio de gravação foi montado em uma sala de reunião e os vídeos eram “bem amadores”, como explica Eduardo. Porém, ele e os sócios tinham um diferencial de 12 anos de experiência empreendendo na internet. Eduardo já foi, inclusive, dono de um e-commerce.

Foi em 2009 que ele começou a explorar o mercado de educação online, por meio de um marketplace de cursos. Mas em 2013, a empresa decidiu investir no segmento profissionalizante. E nos últimos três anos, ocupa uma sede com três mil metros quadrados, três andares e 10 estúdios no bairro do Morumbi, em São Paulo.

É ali que todos os vídeos da plataforma são gravados, com alta qualidade. “É onde as pessoas entendem que a educação é um meio para um fim maior que é a renda. Então, as pessoas entendem a EduK como um trampolim para investir, aprender e ganhar dinheiro em curto prazo”, explica.

“É uma paixão minha ajudar as pessoas a mudarem as suas realidades através da educação”, afirma Eduardo.

No site, basta escolher um tipo de assinatura para ter acesso a um vídeo específico ou a todos os vídeos disponíveis. E, assim, aprender um ofício, uma técnica nova e colocar o que aprendeu em prática. Os vídeos são nas áreas de beleza, moda, gastronomia, fotografia, artesanato, entre outros.

Texto continua após o vídeo – Assista a seguir às entrevistas de Daniel Farjoun, Tatiana Pimenta e Eduardo Lima nesta reportagem do Repórter E-Commerce Brasil, no Youtube.

Infoprodutos para a saúde

A Vittude é outra plataforma de infoprodutos. O site une profissionais da área de psicologia e pacientes que querem fazer terapia, espalhados pelo mundo todo. Basta buscar um profissional e fazer tudo pela plataforma, inclusive as consultas. Quem é psicólogo e pensa em aumentar sua rede de pacientes pode aderir à plataforma também. Para isso, precisa comprovar experiência na área.

Tatiana Pimenta é uma das fundadoras da Vittude e diz que viu aumentar o interesse do público por profissionais que atendam por meios digitais. Afinal, a internet não requer espaço físico para armazenagem, não requer embalagens ou taxas de entrega (frete). É um produto 100% online.

Tatiana teve a ideia da plataforma quando passou por um episódio de depressão em 2012 e não conseguia encontrar um Psicólogo. Quando procurava por um profissional, só encontrava os telefones fixos mas não sabia detalhes sobre a formação dele, nem a experiência.

Procura por Psicólogos

Tatiana explica que “na Vittude, quando você está procurando um psicólogo, você consegue ver várias informações. Entre elas, estão a foto dele, onde se formou, tempo de formação, qual a experiência, quanto custa, os horários disponíveis”. De acordo com fundadora, “se houver um consultório físico, eu consigo ver o mapa. É possível saber as avaliações dos outros usuários. Então, eu existe um conjunto de informações que ajuda a escolher esse profissional”.

“Nos últimos 12 meses, a gente cresceu 6 vezes. Tem 20 meses que a gente cresce em média entre 18 e 20%”, afirma Tatiana. Segundo ela, a plataforma já tem trabalhado com profissionais e pacientes em 50 países. E ainda há um novo braço de trabalho corporativo no Brasil.

Nele, as empresas subsidiam parte da consulta dos funcionários. Uma das preocupações é a gestão de dados dos usuários, principalmente às vésperas do início da LGPD (Lei Geral de Proteção de dados).

“O próprio desenvolvimento do consultório virtual já foi pensando no cuidado com os dados dos pacientes. Ferramentas como Skype e Whatsapp não são seguras para proteger esses dados. Pelo que se discute, os dados passarão a ser do paciente”, comenta Tatiana.

Mas ela questiona. “Será que o paciente de psicologia tem conhecimento e maturidade para saber e entender o que o profissional escreveu ali sobre ele? Então, eu acho que vai ter uma discussão técnica na área de psicologia, para saber qual tipo de dado o paciente poderá acessar”, completa.

Direto de Israel

Daniel Farjoun é Founder, fotógrafo e Vídeo Maker. Ele criou o Canal da Foto há sete anos. Tudo começou por meio do Youtube, quando Daniel teve a ideia de ensinar fotografia à distância.

Ele, que mora em Israel, conta que foi preciso um investimento inicial nos primeiros seis meses, para a criação do primeiro vídeo. Depois disso, bastou fazer pequenas atualizações periódicas no conteúdo. E, em seguida, replicar a gravação para dezenas, centenas e milhares de interessados.

Daniel explica que replicar os vídeos para atingir públicos que se renovam não é difícil. Apesar do mercado estar sempre se atualizando, os conceitos básicos de fotografia são perenes. Tendo como público-alvo os iniciantes na fotografia, Farjoun afirma que é possível ganhar espaço no mercado ao ensinar com segurança.

Por Rafael Chinaglia, da redação do E-Commerce Brasil

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.