Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Google vai à falência na Rússia após contas da empresa serem confiscadas

Quinta-feira, 19 de maio de 2022   Tempo de leitura: 3 minutos

A subsidiária russa do Google planeja declarar falência depois que as autoridades confiscaram sua conta bancária. Por consequência, isso impossibilita o pagamento de funcionários e fornecedores. Entretanto, serviços gratuitos, incluindo busca e YouTube, continuarão operando na Rússia.

Imagem da palavra Google em uma parede e uma pessoa caminhando próxima a ela
Em abril, um canal de TV de um empresário russo disse que oficiais de justiça apreenderam US$ 15 milhões do Google por sua falha em restaurar o acesso à sua conta do YouTube.

A unidade da Alphabet Inc está sob pressão na Rússia há meses por não excluir conteúdo que Moscou considera ilegal e por restringir o acesso a algumas mídias russas no YouTube. O Kremlin, no entanto, até agora não conseguiu bloquear o acesso aos sites da empresa.

Leia também: E-commerce cresce 12,6% e fatura R$ 39,6 bilhões no 1º trimestre

“A apreensão das autoridades russas da conta bancária do Google Rússia tornou insustentável o funcionamento de nosso escritório na Rússia. Isso inclui empregar e pagar funcionários baseados na Rússia, pagar fornecedores e cumprir outras obrigações financeiras”, disse um porta-voz do Google.

Conta do Google apreendida

Em abril, um canal de TV de um empresário russo disse que oficiais de justiça apreenderam US$ 15 milhões do Google por sua falha em restaurar o acesso à sua conta do YouTube. Vale destacar que esta é a primeira vez que a gigante de tecnologia dos EUA teve sua conta bancária apreendida.

O Google não confirmou imediatamente se foi a apreensão desses fundos que levou à sua intenção de declarar falência ou se outras apreensões ocorreram. No entanto, o banco de dados do Serviço Federal de Oficiais de Justiça da Rússia listou duas apreensões desde meados de março. Na ocasião, não especificou os valores, além de outras multas e taxas de execução.

Leia também: Projeção do Ibevar para maio indica aumento nas vendas do varejo após meses em queda

O Google confirmou que tirou muitos de seus funcionários da Rússia desde que Moscou enviou dezenas de milhares de tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro. Porém, alguns optaram por ficar e agora estão mais tempo com a empresa.

Na quarta-feira (18/05), uma nota publicada no registro oficial da Rússia dizia que a subsidiária do Google pretendia declarar falência. Incluía, ainda que, desde 22 de março previa uma “incapacidade de cumprir suas obrigações monetárias”. Neste caso, destacou indenizações, remuneração de funcionários atuais e ex-funcionários e pagamentos obrigatórios oportunos.

Serviços gratuitos do Google continuam

O Google, que pausou as vendas de anúncios e a maioria das outras operações comerciais na Rússia, disse que seus serviços gratuitos, incluindo Gmail, Maps, Android e Play, continuarão disponíveis para usuários russos.

Na útilma terça-feira, a Rússia disse que não planeja bloquear o YouTube do Google, apesar de repetidas ameaças e multas. Afinal, reconhece que tal medida provavelmente prejudicaria os usuários russos e, portanto, deve ser evitada.

Leia também: Volume de anúncios que precisaram ser moderados pelo Mercado Livre cai 27% no segundo semestre de 2021

O presidente-executivo da Rostelecom, Mikhail Oseevskiy, disse na quarta-feira que o Google estava operando normalmente no país, incluindo todos os seus servidores.

Em dezembro, a Rússia entregou ao Google uma cobrança de 7,2 bilhões de rublos (R$ 559 milhões). Na ocasião, Moscou alegava ser devido à uma falha repetida na exclusão de conteúdo que a Rússia considera ilegal — a primeira penalidade baseada em receita desse tipo de caso na Rússia.

No mês passado, a Alphabet disse que a Rússia respondeu por 1% de sua receita em 2021, ou cerca de US$ 2,6 bilhões.

Fonte: Reuters

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER