Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Gigantes americanas ‘penam’ para manter confiança de usuários em alta

Terça-feira, 26 de dezembro de 2017   Tempo de leitura: 4 minutos

Este ano foi marcado por uma mudança radical na nossa atitude em relação aos maiores players de tecnologia – e, ao que indica, nos Estados Unidos, não para melhor.

O Facebook, com uma base de usuários do dobro do tamanho do hemisfério ocidental, parece estar em meio a uma crise de identidade: o CEO Mark Zuckerberg passou grande parte de 2017 em uma turnê nacional que a The New York Times apelidou de “educação do mundo real”.

Enquanto isso, a plataforma se envolveu em um debate nacional que começou com algumas notícias falsas e evoluiu para uma investigação sobre como o governo russo armou a rede para influenciar nas eleições presidenciais de 2016.

Já a Amazon fez avanços consideráveis ​​em sua busca para atender todas as partes da nossa vida, desde a aquisição da Whole Foods até o lançamento de um plano para obter as chaves nas nossas portas de casa.

A Apple continua a acumular uma vasta reserva que, da última vez, beirava os US$ 260 bilhões, mas seus dispositivos de primeira linha perderam brilho – já faz anos que a empresa lançou um produto mude o jogo verdadeiramente.

O Twitter passou maus bocados por assédio e exércitos de bot de origem nefasta, o que pode explicar o crescimento tímido da base de usuários, apesar de se tornar a nova plataforma não oficial para a política americana. E há um senso de crescimento, sublinhado pela decisão antitruste da União Europeia de U$ 2,7 bilhões contra o Google, de que toda a cabala de empresas de tecnologia grandes sairam de gigantes amigáveis para monopólios impiedosos.

Entre setembro e outubro, a revista The Verge fez parceria com a Reticle Research para realizar uma ampla pesquisa sobre a atitude do público em relação a alguns dos maiores nomes da tecnologia. O levantamento foi feito com 1.520 pessoas nos EUA e tem margem de erro de 3%

As descobertas são fascinantes: os entrevistados confiaram no Facebook menos do que o Google – e “confiança” foi um fator primordial para os indivíduos que se abstiveram de usar o Facebook globalmente.

Os entrevistados confiaram na Amazon quase tanto quanto no próprio banco. De todas as empresas mencionadas em nossa pesquisa, os entrevistados provavelmente recomendariam serviços da Amazon à sua família e amigos.

Já o Twitter ficou no lado oposto: um quarto dos entrevistados disse que provavelmente não recomendaria o serviço.

Fonte: The Verge

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.