Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Gencomm tem dívida de pelo menos R$ 3,9 milhões com pequenas empresas

Quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020   Tempo de leitura: 5 minutos

O Grupo Gencomm, que adquiriu a Rakuten em outubro de 2019, tem uma dívida de pelo menos R$ 3,9 milhões com microempresas.

Segundo planilha enviada à Justiça como parte do pedido de recuperação judicial do grupo, e à qual o E-Commerce Brasil teve acesso, a maior parte dos débitos é com pequenos empresários. A relação inclui também fornecedores.

Levantamento do E-Commerce Brasil, baseado nesse documento, mostra que, dos 1.840 empreendedores com direito a receber algum repasse, 1.170 (63,5%) ou são pequenos ou são pessoas físicas que nem sequer constituíram CNPJ.

A maior parte se enquadra na segunda modalidade e aderiu ao serviço de pagamento (antigo Rakuten Pay) apenas com o CPF e o próprio nome. Sozinho, esse grupo de 914 pessoas tem, pelo menos, R$ 274,6 mil travados na plataforma. Outros 256 que se cadastraram como microempresas têm R$ 3,6 milhões a receber.

O impacto pode ser maior, porém. Isso porque muitas das empresas que constam na planilha se cadastraram na plataforma como “LTDA” e podem ser enquadradas como microempreendedores, mas não foram consideradas na conta (veja, ao fim da reportagem, a metodologia deste levantamento).

Por faixa de débito

Quando analisadas as dívidas apenas por valor total travado no sistema, 77,8% das empresas têm direito a até R$ 1 mil. O valor total da dívida com essas 1.432 companhias é de R$ 298.346,40.

Ao todo, o débito declarado é de R$ 46.369.777,19. Porém, lojistas argumentam que o valor é maior, uma vez que o documento não contabiliza uma série de ganhos aos quais os varejistas têm direito.

A maior parte das dívidas, porém, se concentra em 20 lojistas, alguns deles bastante conhecidos. Eles têm, pelo menos, R$ 500 mil a receber cada um. O maior valor retido para um único CNPJ é de R$ 5,2 milhões.

 

Dívida com a própria Rakuten

Curiosamente, o Grupo Gencomm ainda precisa pagar a Rakuten. O documento enviado à Justiça de São Paulo não explica o motivo de cada débito, mas mostra que tanto a Rakuten Logistics quanto a Rakuten Internet Services estão na lista de credores.

O braço de logística da gigante japonesa ainda tem direito a R$ 532.864,16, enquanto a plataforma deve receber R$ 116.071,88. Ao todo, são R$ 648.936,04.

Procuradas para comentar o processo, a Gencomm não se posicionou. Já a Rakuten Americas afirmou em nota que “a Rakuten Americas vendeu a Rakuten Brasil para a GenComm em outubro de 2019. Na época, trabalhamos para assegurar uma transição suave e justa para todos os parceiros. Uma vez que não mais gerenciamos o negócio ou seus ativos, não podemos comentar sobre o estado atual da empresa.”

Metodologia

Todas as informações desta reportagem foram coletadas da planilha enviada à Justiça. O documento original conta com 1.929 linhas, muitas delas com dados repetidos. Para evitar uma leitura incorreta, a reportagem identificou as empresas em duplicidade, somou os valores devidos a elas e chegou a uma lista devidamente tratada, com 1.840 companhias únicas.

Para identificar quantas microempresas existiam, a reportagem separou CPFs de CNPJs e pesquisou quais delas se cadastraram como “ME” na Gencomm ou na Rakuten.

Porém, muitas das lojas aderiram aos serviços usando outras denominações — por exemplo, “LTDA” —, mas podem ser enquadradas como pequenas. Por isso, é possível que a dívida com microempresas seja ainda maior do que os R$ 3,9 milhões.

Por Caio Colagrande, da redação do E-Commerce Brasil

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.