Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Ex-funcionários do eBay admitem perseguição cibernética contra casal que criticava a empresa

Sexta-feira, 13 de novembro de 2020   Tempo de leitura: 2 minutos

Dois ex-funcionários do eBay se confessaram culpados por participar de uma campanha de perseguição cibernética contra um casal de Massachusetts, nos Estados Unidos. O casal mantinha um boletim informativo que criticava a empresa de comércio eletrônico.

Promotores federais em Boston disseram que os ex-funcionários do eBay Stephanie Stockwell e Brian Gilbert e outros assediaram o casal através do twitter e enviaram pacotes perturbadores como uma máscara de porco de Halloween ensanguentada e aranhas vivas e baratas em agosto de 2019.

Eles se confessaram culpados por cometer perseguição cibernética e conspirar para adulterar uma testemunha, tornando-se os mais recentes ex-membros da equipe de segurança e inteligência global do eBay a admitir irregularidades. Três outros ex-funcionários também se declararam culpados.

“Cometi um erro e preciso confessar isso”, disse Gilbert durante uma audiência realizada virtualmente devido à pandemia do coronavírus.

Os promotores concordaram em recomendar uma sentença de prisão de 24 meses para Stockwell, o ex-gerente do centro de inteligência global do eBay, e não mais do que 37 meses para Gilbert, um ex-gerente sênior de operações especiais de sua equipe de segurança global.

Perseguição devido à críticas

Eles estão entre os sete réus, incluindo os ex-executivos de segurança do eBay James Baugh e David Harville, que os promotores disseram ter se dirigido o casal em Natick, Massachusetts, com mensagens ameaçadoras e entregas indesejadas.

Os promotores disseram que os réus também realizaram vigilância encoberta em uma tentativa de aterrorizar o casal e impedi-los de criticar o eBay.

Eles o fizeram depois que dois executivos de alto escalão expressaram frustração com o boletim informativo EcommerceBytes. Os executivos incluíam o ex-presidente-executivo Devin Wenig, que uma pessoa familiarizada com o assunto disse ser o “executivo 1” identificado em documentos judiciais.

Wenig, ex-executivo da Thomson Reuters, não foi acusado e negou saber sobre o esquema. O porta-voz de Wenig não respondeu a um pedido de comentário.

Leia também: eBay tem vendas acima do esperado e eleva perspectivas para ano fiscal

Fonte: Reuters

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER