Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Estudo mostra comportamento das consumidoras em moda íntima

Sexta-feira, 16 de março de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

Em comemoração ao Dia do Consumidor, a IEMI Inteligêmcia de Mercado, especialista em estudos de mercado, varejo e comportamento de compra dos setores de têxteis e vestuário, artigos têxteis para o lar, calçados, móveis e colchões, acaba de lançar uma nova Pesquisa “Comportamento de compra das consumidoras de moda íntima”.

Neste novo levantamento realizado em fevereiro de 2018, o IEMI detectou várias mudanças e insights nos hábitos das consumidoras, especialmente o fato de que a internet ganhou peso na decisão de compra, enquanto as vendas junto às revendedoras perderam representatividade em relação à pesquisa anterior, aplicada em dezembro de 2015. Outro destaque é que o gasto médio por compra teve acréscimo de 20%, saindo de R$ 106 para R$ 127 e a frequência de compra também, saindo de 5,2 para 5,5 compras por ano em média, mostrando que a consumidora de moda íntima está superando os impactos da crise, exige qualidade e está disposta a pagar mais por isso.

Marcelo Prado, diretor do IEMI Inteligência de Mercado, explica que em períodos de crise, quando a produção é reduzida, as peças íntimas mais elaboradas e com maior valor agregado ganham participação no mercado e acabam elevando o preço médio do artigo na indústria e consequentemente no varejo. “Considerando toda a demanda que ficou reprimida durante o ápice da crise, num momento de melhora da economia, o desempenho no varejo deve apresentar recuperação”, argumenta.

O estudo contou com a participação de 1.253 consumidoras de produtos de moda íntima, pertencente a todas as classes sociais, com idade acima de 18 anos e residentes em diversas cidades do País.

Ticket médio regional

As consumidoras da região Sudeste apresentaram o maior ticket médio, com R$ 138,00 seguidas pelas mulheres das regiões Norte e Centro-Oeste (R$ 128,00). No estudo anterior, as primeiras posições eram ocupadas pelas mulheres da região Norte e Centro-Oeste (R$ 119,00) e região Sul (R$ 113,00).

Frequência de compra e número de peças adquiridas

De acordo com o estudo, 32% das consumidoras afirmaram que compram uma nova peça de moda íntima a cada 2 meses, 21% afirmaram que adquirem a cada 3 meses. Somente 18% afirmaram que compram todo mês, sendo que a grande fatia desse público são as mais jovens, com idade entre 18 e 34 anos. As demais mulheres (29% do público) compram a cada 4 meses ou mais. Em relação a quantidade de peças compradas, houve um aumento da quantidade média, saltando de 3,5 para 3,9 artigos.

Influenciadores ganham força entre as mais jovens

O levantamento observou que 62% das consumidoras de moda íntima, dizem se informar sobre o tema, principalmente, as das classes A e B (74%). Entre os meios mais utilizados, os sites em geral aparecem na liderança (41%), seguido por revistas (36%) e TV (27%). As redes sociais compostas por grande número de influenciadores digitais, como Instagram e Youtube, têm maior apelo também junto aos consumidores mais jovens, com 34% de preferência na faixa entre 18 e 24 anos e 31% entre as mulheres de 25 a 34 anos. Já as consumidoras mais maduras possuem menor engajamento, com somente 16% de preferência em média.

Canais de compra preferidos

Embora o canal de compra preferido das consumidoras ainda sejam as lojas físicas (72%), as compras pela internet apresentaram avanço de 4,4 pontos percentuais, pulando de 7,6% do estudo anterior para 12% de participação. Um canal que perdeu representatividade foi o das compras por meio das revendedoras/sacoleiras, que tiveram redução de 5 pontos percentuais nas vendas, saindo de 22% para 17% de participação no mesmo período.

Entre as consumidoras que compram pela internet, 77% delas informaram a facilidade de compra e preços mais baixos como principal motivação pela escolha deste canal. Já entre as mulheres que compram em lojas físicas, observamos que 44% costumam comprar em lojas localizadas em shopping centers, 38% em lojas de rua e 19% em centros comerciais/galerias.

Atributos na escolha da loja

Entre as consumidoras que compraram em lojas físicas, os atributos que mais levaram em conta em sua escolha, foram o “bom atendimento” e a “variedade dos produtos” (42% em média), seguidos por “bons descontos/promoções” e “preços mais baixos” (29% em média). Já os principais motivos que as fazem rejeitar uma loja, é o “mau atendimento” e os “preços serem acima da concorrência” (45% em média), seguidos pelo fato de a “loja não ter todos os tamanhos” (23%) e “a vendedora ficar andando atrás de mim” (22%).

Motivação de compra e imagem do produto

Em relação ao motivo da compra, a maioria (45%) informou substituir uma peça antiga. Já os motivos secundários sofrem disparidade de acordo com a faixa etária.

Quando compram pela vontade de “se sentir bonita/bem vestida” e para “ter maior variedade de produtos”, as consumidoras mais jovens, em média, apresentam maior preferência (14%), enquanto as mulheres de maior faixa etária, apresentaram média menor (10%).

A tendência se repete em relação à imagem passada no momento da compra, onde produtos com imagens de “sexy/provocante” e “romântico” apresentaram maior apelo junto às consumidoras mais jovens (23% da preferência em média), contra 14% de participação entre a faixa etária mais elevada. Já artigos com os conceitos “confortável” e “básico” apresentaram maior preferência pelas mulheres com maior faixa etária (14%).

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.