Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Estudo mostra que 21% dos consumidores globais planejam gastar menos tempo nas mídias sociais nos próximos seis meses

Segunda-feira, 25 de julho de 2022   Tempo de leitura: 3 minutos

De acordo com estudo da Outbrain, 21% dos consumidores globais planejam gastar menos tempo nas mídias sociais nos próximos seis meses. Destes, 39% estão ficando completamente offline; cerca de 33% estão trabalhando ou estudando e 36% estão visitando portais com conteúdo editorial, como sites de notícias nacionais e locais e sites de estilo de vida.

Leia também: Consumo de produtos sustentáveis mais do que dobrou no Brasil desde 2021

Outro dado aponta que o conteúdo online em sites editoriais (por exemplo, sites de notícias e estilo de vida) é percebido de forma mais positiva do que na mídia social. Ou seja, 75% dos consumidores confiam em conteúdo e recomendações vistos em um ambiente editorial. Por outro lado, 54% demonstram credibilidade em conteúdo e recomendações gerados pelos usuários nas mídias sociais. Além disso, 76% dos tomadores de decisão dos lares são significativamente mais propensos a confiar no conteúdo e nas recomendações que veem em ambientes editoriais do que os não tomadores de decisão.

Confiança nos anúncios

O levantamento revela que a confiança do usuário também se estende à publicidade. No entanto, os anúncios são mais confiáveis em ambientes editoriais da web do que nas mídias sociais. Afinal, 68% dos consumidores confiam em anúncios vistos em ambientes editoriais e, 55%, na publicidade encontrada em sites com conteúdo gerado pelo usuário — como mídias sociais, blogs e comunidades online, sendo esta última menos confiável. Sete em cada dez consumidores veem anúncios nativos online com alguma frequência e a maioria confia neles.

Leia também: No Dia dos Pais desse ano, média de valor gasto será 20% maior do que em 2021, revela Shopee

Ainda, os anúncios nas mídias sociais são considerados o tipo de anúncio mais intrusivo, seguido por anúncios display e de paid search. Dessa maneira, a publicidade nativa, que tem a aparência e se assemelha a um conteúdo editorial, é considerada a forma menos intrusiva de publicidade.

Laura Assis, diretora de vendas da Outbrain no Brasil, afirma que as campanhas nativas superaram os anúncios em mídias sociais. Isso vale-se tanto para a qualidade dos leads gerados, como ao engajamento e à eficiência de custos. “Os anúncios nativos se consolidam como alternativa e podem ser mais um ponto de contato da estratégia de marketing com esses consumidores. Eles poderão encontrar recomendações de conteúdo mais interessantes, mais confiáveis e genuínos em sites editoriais da web”.

Metodologia

O estudo global foi realizado de 2 de dezembro de 2021 a 4 de janeiro de 2022, com mais de 9 mil consumidores. Os países estudados foram: Austrália, França, Alemanha, Israel, Itália, Japão, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Leia também: TikTok é a fonte de notícias que mais cresce para adultos no Reino Unido, segundo pesquisa

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER