Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

E-commerce: consultoria projeta faturamento de R$ 77,5 bi em 2018

Segunda-feira, 09 de abril de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos

De acordo com números divulgados pela E-Consulting, o e-commerce brasileiro deverá faturar R$ 77,5 bilhões em 2018, um aumento de 20,9% em relação ao ano passado, que fechou arrecadando R$ 64,1 bilhões.

As cifras superam as expectativas da consultoria, que há 14 anos elabora a apuração dos dados. Afinal, desde 2015 o levantamento apontava registros estáveis ou em queda no comércio eletrônico nacional, que chegaram a ultrapassar a casa dos 2% na época.

Uma das causas que contribuem para o reaquecimento do e-commerce neste ano são as ações proativas de operadoras de telefonia e meios de pagamentos para estimular o consumo e o pagamento via internet. Segundo a pesquisa, da fatia total das transações financeiras que devem ocorrer na web em 2018, 23,5% serão via plataformas mobile.

“O crescimento exponencial do mobile se dá por um esforço conjunto entre operadoras, meios de pagamentos, varejistas e o próprio consumidor, que enxerga cada vez mais comodidade e segurança”, explicou Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.

A expectativa é que, em 2018, 84% dos brasileiros realizem pagamentos por meios online. Dentre as principais razões do consumidor usar as plataformas eletrônicas estão comodidade (55%), confiança (46%), segurança (44%) e agilidade (26%) na hora do pagamento.

Além da alta frequência da mobilidade, outros fatores de crescimento que estão ligados ao aumento da projeção de vendas do e-commerce para este são: a migração de consumidores do varejo físico para o digital; ações varejistas atrativas, como o Black Friday, bem como os investimentos das empresas em soluções para melhorar o User Experience.

A pesquisa também aponta que a previsão do ticket médio de compras do brasileiro aumentou e será a maior dos últimos cinco anos. De acordo com a E-Consulting, o cliente virtual estará disposto a gastar R$ 319 em 2018. Seis reais a mais do que em 2017, que foi R$ 313, e trezes reais a mais do que 2015, que esperava que ele gastasse R$ 306 por compra.

Quanto às categorias mais vendidas, a previsão da pesquisa é que os itens de saúde e beleza sejam os mais comprados do período, tendo chances de alcançar um volume de pedidos que representa, aproximadamente, 22% do montante previsto de transações no e-commerce. Moda e acessórios vem em segundo lugar com um volume de 18%. Já os eletrodomésticos e os produtos de informática terão um número de pedidos em torno de 17%, enquanto os eletrônicos representarão um volume de 14%.

O índice do varejo online (VOL) é calculado pela E-Consulting a partir da soma trimestral das vendas online ocorridas nas lojas virtuais de automóveis, bens de consumo e turismo. O cálculo inclui em seu montante o e-commerce B2C (Business to Consumer) nos formatos tradicional, mobile commerce, social commerce e compras coletivas, bem como o nicho de C2C (Consumer to Consumer).

E-bit

Já segundo o E-bit, no 37º Webshoppers, apresentado em março, a projeção de vendas para 2018 no mercado eletrônico é de R$ 53,5 bilhões.

De acordo com a empresa, a consolidação das vendas pelos marketplaces aqueceu o mercado eletrônico em 2017, tendência que deve continuar neste ano. Impulsionado pela expansão do Mercado Livre, o faturamento das vendas via marletplace, incluindo produtos novos e usados, atingiu R$ 73,4 bilhões, com alta de 21,9%.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.