Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

E-commerce no Reino Unido deve crescer 14% em 2018

Sexta-feira, 04 de Maio de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos

O mercado de e-commerce no Reino Unido deve crescer 14,2%, segundo projeção do relatório 2018 Ecommerce Report: United Kingdom, divulgado nesta quinta-feira (3) pelo Ecommerce Foundation. A expectativa é de que o faturamento seja de cerca de R$ 75 bilhões.

O estudo se baseia em 23 levantamentos, incluindo o European Ecommerce Report, o Global Report e pesquisas avulsas.

Vestuário é a categoria mais comprada pelos consumidores britânicos, enquanto turismo ficou logo em seguida. Já em relação aos players, Amazon é, disparada, a primeira na preferência do público: 91% usam o marketplace.

“Os hábitos dos consumidores do Reino Unido está em constante evolução e as expectativas crescem ano a ano. Uma loja não é mais vista como ‘tradicional’, que só trabalha em horário comercial; é um ponto 24 horas por dia, sete dias por semana, que faz o e-commerce perder froteiras”, afirmou David Campbell, gerente de e-commerce da Retail Excellence, associação da Irlanda.

Comportamento

De acordo com o relatório, internautas britânicos são ávidos compradores online, mas isso não significa que eles deixam de adquirir produtos nas lojas físicas – 93% dos entrevistados também vão às ruas consumir. Isso mostra, de acordo com a Ecommerce Foundation, a importância das experiências omnichannel no mercado local.

Em relação à forma de acesso, quase metade dos clientes usam o celular ou tablet para procurar produtos, mas finalizam a compra pelo desktop. Apesar da predominância da Amazon, é o eBay quem ganha a batalha no ambiente mobile.

Um dos resultados mais interessantes do levantamento diz respeito à logística reversa: 60% dos consumidores britânicos esperam que o retorno de itens seja gratuito, enquanto 36% disseram que comprariam em um e-commerce diferente se a gratuidade na reversa tivesse algum limite.

“A jornada do cliente está mais complexa do que nunca. Resumindo, não é mais possível se referir a uma única jornada. Consumidores aparecem em todos os cantos, online e offline, e esperam um atendimento personalizado na jornada omnichannel”, explicou Mark de Brujin, vice-presidente e head de Marketing da SAP Hybris.

Oportunidades e desafios

O Reino Unido dispõe de uma robusta infraestrutura de internet – a penetração de sinal é de impressionantes 95%. Isso faz com que o país apareça em primeiro lugar no ranking de desenvolvimento do chamado “e-government” (governo eletrônico, ou as iniciativas públicas de usar as tecnologias de informação a favor do cidadão). Por outro lado, com as expectativas do cliente em relação à logística, a velocidade de entrega ainda é um obstáculo.

Um quarto dos entrevistados relatou algum problema nesse quesito. Além disso, 17% dos consumidores receberam o item errado ou, ainda, danificado. Essas são, segundo o relatório, áreas para os lojistas britânicos se desenvolverem e se diferenciarem no mercado de e-commerce.

O Brexit – saída do Reino Unido da União Europeia – é outro tópico que não pode ser deixado de lado. A incerteza em relação as direitos dos cidadãos após a saída completa do bloco pode dificultar a atratividade do e-commerce.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.