Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

O que o futuro da tecnologia e dos dados reserva para o e-commerce

Quinta-feira, 18 de julho de 2019   Tempo de leitura: 5 minutos
Gerson Ribeiro se apresentou no Fórum E-Commerce Brasil 2019/Eligia Aquino
Gerson Ribeiro se apresentou no Fórum E-Commerce Brasil 2019/Eligia Aquino Cesar

Nos anos 1980, a única forma de adquirir algum produto, fosse eletrônico, roupa ou uma simples escova de cabelo, era ir a uma loja física, escolher o que desejava e pagar. Como tudo na vida, com o objetivo de atrair cada vez mais clientes, o varejo também evoluiu. Se antes dinheiro era a única forma de pagamento, boleto e cartão se popularizaram, assim como o e-commerce, que teve um enorme crescimento na última década.

Fazer uma projeção do que pode ser esperado do setor para os próximos dez anos foi o tema da palestra “Varejo – o que aprendemos nos últimos 10 anos e o que projetamos para os 10 anos seguintes”. Na apresentação que abriu o segundo dia da 10ª edição do Fórum E-Commerce Brasil, Gerson Ribeiro — co-fundador e diretor executivo da Vitrio — e Leonardo Naressi — CIO da DP6 — revezaram-se para falar sobre o que esperar do futuro no setor.

4 Ps e a nova ótica de consumo — O consumidor está imediatista, curioso e exigente

Gerson Ribeiro iniciou explicando o significado dos 4 Ps do marketing e o que cada um deles engloba, segundo a nova visão de mercado. O produto está relacionado à qualidade, identificação, personalização, sazonalidade e ruptura de estoque. Preço tem ligação direta com gestão de canais, automação, elasticidade, lucratividade e competitividade. Atendimento, omnichannel, UX, frete e prazo de entrega pertencem à praça. Por fim, promoção, que abarca machine learning, jornada LTV, atribuição 020, mídias por CPA e Roi Last Click ROMI.

Ribeiro destacou que o consumidor dos dias de hoje precisa de praticidade e dá muito valor ao dinheiro. “O cliente, hoje, quer que o produto esteja alinhado com o que ele quer, cobrando, inclusive, posicionamento político das empresas, antes de decidir se deve ou não consumir aquela marca”, explicou.

A ousadia mobile first/only

Em 2007, quando os celulares passaram a se popularizar, em grande parte por conta do lançamento do iPhone, falava-se bastante na força do mobile para os negócios. Hoje, sabe-se que essa evolução não foi possível à época porque nem as pessoas e menos ainda as empresas estavam preparadas para tanto, como lembrou Naressi. “A internet era ruim, assim como a acessibilidade.”

Uma das primeiras empresas a apostar no mercado digital foi o Magazine Luiza. A ousadia fez com que a varejista melhorasse o atendimento não só online, mas também físico por conta dessa inovação. O grande diferencial é que os vendedores lançavam mão da tecnologia para fechar negócios nas lojas, o que as fazia ganhar em rapidez. O próximo passo para as grandes empresas do setor no mundo é investir nas compras com o auxílio de interfaces, como Siri e Alexa, por exemplo.

“Romi” e a integração do marketing — digital e offline, branding e performance

Em 2018, a receita total do varejo no Brasil foi de 30,5%. Desse valor, 6,7% veio do varejo online e 23,8% da receita offline influenciada pela online – ou seja, aquilo que o cliente comprou motivado por algo que viu na internet. A projeção é que, em 2021, o varejo seja responsável por 42,7% da receita gerada no país. Cerca de 9,5% disso virá das vendas online e 32,2% será referente a receita offline influenciada pela online.

Logística — o problema de todos que ninguém queria resolver

Para esse item, Naressi destacou algo fundamental: o pedido só acaba quando termina, ou seja, assim que a entrega é concluída. Fazer essa etapa do processo via drone pode parecer algo futurista, mas, pensando nessa máxima, é uma solução que já está sendo testada. “Imagine para quem está fora dos grandes centros urbanos, locais onde o cliente pode demorar um mês para receber o produto, por exemplo?” Para facilitar a penetração dessa modalidade de entrega, grandes empresas estão contando com o apoio de startups locais.

Gestão de canais — além da mídia, marketplace e D2C

O ponto principal quando se trata desse tema é entender que precisa haver uma estratégia específica para cada canal de comunicação com o cliente. Melhor do que tentar atender todas as pessoas é entender seu público-alvo. Segundo os palestrantes, é importante destacar também que a transformação trazida pela tecnologia não significa o fim de varejistas e lojas físicas, mas, sim, que vão evoluir e trabalhar em conjunto com o mercado online.

Pagamento — A hora H, a revolução mobile e os super apps

Se, há alguns anos, dinheiro era a única forma de pagar por uma compra, hoje, além de boleto, cartão e transferência bancária, o consumidor pode contar com uma novidade: o QR Code. O código que antigamente era usado para atividades banais está revolucionando o mercado de pagamentos, principalmente por ser prático e seguro.

As plataformas de dados, automações e tomada de decisão

Reports, dashboards, otimização em tempo real, testes, análise histórica e atribuição são alguns dos facilitadores do dia a dia do varejo quando o assunto é o uso de tecnologia. O futuro promete aprofundar elementos, como jornada de compra e lifetime value, análises preditivas e automação. “Não é necessário que todos virem cientistas de dados, mas, sim, usar isso de forma estruturada”, salientou Naressi.

Machine learning & data science — o mito, a realidade e o job

Na visão dos especialistas, a inteligência artificial não vai substituir gestores. Porém, quem souber usá-la estará à frente de outros na mesma função. Em resumo: é importante que os profissionais do setor busquem sempre se atualizar em relação às novidades tecnológicas.

A cultura de testes e o “time” para execução

Empresas perderam espaço por não saberem se adaptar aos novos tempos e precisam planejar o negócio a longo prazo. De acordo com Gerson Ribeiro e Leonardo Naressi, caso contrário, nem a meta diária será batida. A palestra foi encerrada por Ribeiro com uma provocação à plateia: “qual é a sua inquietude? Vocês estão preparados para as mudanças que irão acontecer?”.

Por Eligia Aquino Cesar, colaboração para o E-Commerce Brasil

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.