Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

63% das lojas e-commerce na Europa violam direitos do consumidor

Quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Um levantamento realizado pela Comissão Europeia de e-commerce mostrou que 63% dos clientes no continente já tiveram problemas com informações faltantes, imprecisas ou incompreensíveis sobre o “direito de arrependimento” de um produto. A entidade obteu s números após uma varredura da Comissão, da qual foram alvo 697 lojas de comércio eletrônico.

De acordo com o estudo, um a cada três websites apresentam detalhes incompletos sobre as suas lojas, enquanto 20% fracassam ao tentar entregar ao consumidor uma forma clara de anunciar preços ou condições dos contratos.

 

Depois da varredura, 436 empresas e-commerce foram diagnosticadas com alguma irregularidade. Dessas, 88% se mexeram para corrigir as falhas, enquanto 83 sites não se adequaram às normas e serão processados.

Direito de arrependimento

Diferentemente do Brasil, nos países participantes da União Europeia o direito ao arrependimento é de 14 dias – aqui, o período para um cliente desistir da compra sem necessidade de alegar motivos é de sete dias.

Na malha fina, a Comissão Europeia descobriu que dois em cada três lojas e-commerce não disponibilizavam todas as informações sobre direito de arrependimento requeridas pela legislação do continente.

“Websites não tinham uma política para esse direito da forma como prevê a lei, ou não informavam o cliente sobre o número exato de dias que o consumidor tem para desistir da compra”, afirmou a entidade.

 

Além disso, um em cada três lojas e-commerce dispunham de poucas informações sobre os comerciantes. A comissão encontrou, por exemplo, empresas que não divulgavam o endereço comercial ou o nome completo do comerciante, algo requerido pela legislação europeia em compras pela internet.

A Comissão Europeia também mostrou preocupação com o anúncio de preços. Autoridades descobriram que 21% das lojas apresentavam dados imprecisos sobre o preço ou condições de contrato antes de uma aquisição ser finalizada.

Já uma pequena parcela (18) das empresas incluídas na malha fina não continha esclarecimentos claros sobre o produto vendido ou o serviço contratado em seu site.

Fonte: E-commerce News Europe

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.