Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Fabricante de calçados dá dicas de gestão para atuar no e-commerce

Segunda-feira, 16 de julho de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos
  • A Piccadilly é uma marca tradicional, mas está se mantendo viva ao longo dos anos. A que vocês atribuem esse feito bem-sucedido?

A solidez da marca está atrelada à atenção que damos aos movimentos do mercado e por estarmos sempre atentos também ao que as consumidoras estão nos dizendo. É uma história de 63 anos que sempre foi fundamentada nos valores da empresa e em atender aos desejos de nossos públicos.

  • Um dos grandes desafios da indústria na atualidade é encontrar um caminho para encontrar o novo consumidor por meio do e-commerce, sem prejudicar os intermediadores ou parceiros. Como vocês veem essa migração da indústria para o online?

Acreditamos que o e-commerce está a favor do varejo físico e que a indústria deve estar em todos os canais em que seu público está presente. O e-commerce é mais um canal de comunicação da marca com a consumidora e objetiva apresentar o mix completo de produtos e o conteúdo da marca.

  • A migração para o online também implica na quebra de paradigmas e cultura organizacional. A Piccadilly acredita que o online é um aliado para aumentar vendas?

Sim, entendemos que o e-commerce é um aliado para a marca. Ele não possui apenas o objetivo de conversão no ponto de venda online, objetiva gerar reconhecimento de marca, desejo pelo produto e levar a consumidora até os mais de 14 mil pontos de venda em que a marca está presente no Brasil.

  • Quais estratégias vocês acreditam ser as mais interessantes para as indústrias de calçados que querem atuar com vendas online? (Marketplace, redes sociais, etc)?

Investir no e-commerce próprio e em uma estratégia específica para venda online, com planejamento que contemple todas as fases da jornada do consumidor.

  • Além do online, hoje em dia se fala muito no empoderamento feminino e também na importância de garantir as diversidades dentro das empresas para que representem de forma mais genuína seus consumidores. Como a Piccadilly acompanha essa evolução de suas consumidoras para entregar produtos condizentes com essa mudança de comportamento?

A Piccadilly adotou no ano passado um novo posicionamento que está focado em entender e apoiar a mulher real, essa nova mulher que é muitas em uma. Com este posicionamento abraçamos essa diversidade de mulheres, oferecendo calçados com beleza e conforto para que elas possam ser todas as mulheres que quiserem ser.

  • Quais são as perspectivas para o futuro da Piccadilly? Vocês veem o futuro do país e do consumo de calçados com otimismo?

O Brasil é um país continental, com muito potencial e um mercado consumidor muito grande. Apesar dos desafios, acreditamos que a retomada do consumo virá em breve. Neste momento estamos aproveitando para reestruturar a empresa e deixá-la ainda mais preparada para vencer com solidez este período difícil e estarmos preparados para aproveitar as oportunidades e sairmos na frente da concorrência quando o mercado reaquecer. Não é hora de paralisarmos, e sim de inovarmos e nos readequarmos ao atual cenário, nos aproximando ainda mais do nosso público consumidor e buscando uma proposta de valor única neste mercado de muita oferta e pouca diferenciação.

  • Se vocês pudessem dar uma dica para o empreendedor que está começando, qual seria?

Ter propósito e valores muito claros, são eles que apoiam a tomada de decisão e nos dão a certeza de que estamos no caminho seguir. E falando do digital, investir cada vez mais nesse canal!

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.