Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Fabricantes que vendem online faturam R$2,5 bi em 2018, aponta Ebit/Nielsen

Segunda-feira, 03 de junho de 2019   Tempo de leitura: 6 minutos

As vendas online de fabricantes direto ao consumidor (D2C – direct to consumer, em inglês) atingiram R$ 2,5 bilhões em 2018. O valor corresponde a alta de 20% em relação às vendas diretas de 2017, de acordo com a Ebit|Nielsen.

O número de pedidos cresceu de 5,2 milhões em 2017, para 7,5 milhões em 2018. O resultado é uma alta de 43% – ou seja, quase quatro vezes mais do que a média do mercado, que foi de 11%.

O tíquete médio retraiu 16,1% na comparação entre os períodos, de R$ 403 para R$ 338. Isso evidencia a entrada de novos fabricantes no e-commerce, principalmente de produtos de consumo imediato.

Os dados são do estudo “Como a indústria tem reduzido o caminho de vendas até o consumidor?”, que traz números inéditos sobre o e-commerce brasileiro e foi apresentado durante Vtex Day, evento realizado na última semana, em São Paulo.

Tipos de operações

A pesquisa também mapeia a atual divisão do e-commerce por operação. Dessa forma, mostra que os varejistas tradicionalmente físicos são responsáveis por 51% das vendas realizadas online no Brasil.

Esses players faturaram R$ 27 bilhões em 2018, alta de 12% em relação ao mesmo período do ano passado.

Já as empresas que nasceram online, os “pure players”, representam 44,3% das vendas (R$ 23,6 bilhões; alta de 11%).

As vendas D2C já respondem a 4,8% do total faturado (R$ 2,5 bilhões, crescimento de 20%). “A participação dos fabricantes ainda é pequena, na comparação com o todo, mas tal número já traz um fato interessante: quem entrou no online e soube usá-lo obteve resultado”, explica Ana Szasz, head da Ebit|Nielsen.

D2C no crescimento do e-commerce

Os números mostram ainda que as vendas D2C puxaram discretamente o crescimento do e-commerce em 2018. Isso porque este tipo de operação ganhou 0,4% de participação no e-commerce de 2017 para 2018.

Eletrônicos e eletrodomésticos são os itens mais comprados online direto dos fabricantes. As duas categorias somam 45% das vendas realizadas por meio deste tipo de operação. As categorias Perfumaria & Cosméticos (16%), Moda & Acessórios (14%) e Alimentos & Bebidas (10%) completam o ranking das mais importantes em faturamento.

A pesquisa foi realizada com 1.707 consumidores, no período de 9 a 12 de maio de 2019. Mais de 50% dos respondentes pesquisam, antes de comprar, se o fabricante do produto desejado dispõe de uma loja online própria.

Melhor preço, promoções e confiança na origem são os principais motivos destacados pelo consumidor para comprar direto com o fabricante.

“Entrar no e-commerce não é apenas vender produtos, é uma demanda mista entre a soma de produto, serviço e conteúdo”, pontua Szasz. “Para os fabricantes que estão ou desejam entrar neste universo, vale refletir sobre a alta exigência de experiência e serviços por parte dos consumidores, a satisfação instantânea quanto ao custo e prazo de frete, bem como a customização de pagamentos.”

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.