Redação E-Commerce Brasil

Impulsionado pela pandemia, comércio eletrônico dos EUA deve chegar a US$ 1 trilhão por ano em 2022

Quinta-feira, 18 de março de 2021   Tempo de leitura: 6 minutos

A pandemia de Covid-19 impulsionou as compras online nos EUA em US$ 183 bilhões, de acordo com o novo relatório da divisão de comércio eletrônico da Adobe, divulgado na segunda-feira (15). Esse número representa o aumento nas compras online entre os meses de março de 2020, quando a pandemia estourou no país, até fevereiro de 2021. A empresa acredita que esse crescimento se mantiver neste nível pode chegar a US$ 1 trilhão por ano em 2022.

Desde o início da crise, os consumidores norte-americanos gastaram um total de US$ 844 bilhões online. Enquanto isso, US$ 813 bilhões foram gastos apenas durante o ano de 2020, um aumento de 42% em relação a 2019. A Adobe observa que os US$ 183 bilhões é quase a quantia gasta na última temporada de compras de fim de ano, quando US$ 188,2 bilhões foram gastos de forma online nos meses de novembro e dezembro de 2020.

A pandemia serviu como um acelerador para muitas indústrias, empurrando-as anos à frente de onde seu crescimento natural as teria levado de outra forma.

O e-commerce também se beneficiou dessa tendência, pois os consumidores enfrentaram pedidos para ficar em casa, os varejistas não essenciais fecharam as portas e as compras pessoais foram substituídas pelo comércio online para muitos consumidores.

Aumento dos gastos online

A Adobe afirma que a própria pandemia produziu uma “rara mudança nos gastos online, equivalente a um aumento de 20%”, e observou que os impactos continuarão mesmo com o fim da pandemia nos próximos meses.

Os analistas da empresa, por exemplo, observaram que nos primeiros dois meses de 2021 (janeiro-fevereiro de 2021), já houve gastos do consumidor de US$ 121 bilhões nos EUA, ou um aumento de 34% ano a ano.

Também durante este tempo, o método compre-agora-pague-depois para compras online aumentou 215% ano após ano, com pedidos que são 18% maiores — outro fator no crescimento das vendas impulsionado por essas mudanças.

A Adobe prevê que as taxas de crescimento atuais continuarão, levando a vendas no ano de 2021 de algo entre US$ 850 bilhões e US$ 930 bilhões. Em seguida, espera que 2022 seja o primeiro ano de trilhões de dólares para o comércio eletrônico nos Estados Unidos.

Mudanças duradouras

Além do aumento nas vendas do comércio eletrônico, a pandemia também pode ter levado a outras mudanças duradouras em termos de como as pessoas compram e o que estão comprando.

A Adobe disse que tanto os serviços de coleta na loja quanto na calçada aumentaram sua adoção em 67% ano após ano, a partir de fevereiro de 2021. Os consumidores parecem muito receptivos a este modelo híbrido de compras. Pesquisa recente da Adobe mostra que 30% dos consumidores dos EUA preferem a coleta em vez da entrega padrão, por exemplo.

A mudança para as compras online regulares pode ter alguns impactos posteriores nos típicos “feriados de vendas” que, no passado, atraíam aumentos maiores na atividade dos compradores. O comércio do Memorial Day 2020 cresceu 20% menos do que outros dias da semana e resultou em uma receita de US$ 32 milhões a menos, observou a Adobe.

O Dia do Trabalho e o Dia do Presidente viram tendências semelhantes. E, notavelmente, os cinco dias entre o Dia de Ação de Graças e a Cyber ​​Monday 2020 também contribuíram com 9% a menos para a divisão da receita durante a temporada de férias, equivalente a US$ 600 milhões.

Comércio eletrônico ainda é desafio

No entanto, houve alguns indícios de que os varejistas ainda não se adaptaram totalmente ao aumento de novos compradores online. Mensagens de “falta de estoque” eram comuns, com pico em julho de 2020, que viu 3 vezes o número de rupturas em comparação com um período pré-pandemia. E em janeiro de 2021, as mensagens de falta de estoque aumentaram em 4x os níveis pré-pandêmicos. Isso era comum principalmente entre mantimentos, produtos para animais de estimação e suprimentos médicos, disse a Adobe.

A mercearia online também se beneficiou da mudança no comportamento do consumidor e não mostra sinais de desaceleração. Em fevereiro de 2021, a categoria subiu 230% em comparação com janeiro de 2020, pré-pandemia.

Ao contrário das pesquisas com consumidores, os dados da Adobe são derivados de tendências observadas diretamente no Adobe Analytics, que cobre mais de 1 trilhão de visitas a sites de varejo nos EUA e mais de 100 milhões de SKUs, oferecendo uma visão mais abrangente e em tempo real da indústria de e-commerce dos EUA e gastos do consumidor.

Leia também: Make or buy – saiba quando comprar uma tecnologia ou desenvolvê-la dentro de casa

Fonte: TechCrunch

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.