Redação E-Commerce Brasil

Com crescimento do e-commerce, robôs que pilotam empilhadeiras atraem capital

Quinta-feira, 17 de setembro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

Investidores do Vale do Silício estão aumentando as apostas em uma empresa de Pittsburgh que transforma uma máquina venerável do século passado de industrialização – a empilhadeira – em um motor do boom do e-commerce.

A Seegrid, fabricante de empilhadeiras autônomas e veículos dirigidos por robôs para transportar materiais entre armazéns e fábricas, acaba de fechar um financiamento de US$ 52 milhões com o Menlo, o fundo de capital de risco G2VP e um grupo não divulgado de investidores em tecnologia e robótica.

O negócio, com o UBS atuando como consultor, elevou para US$ 150 milhões o valor total do financiamento recebido pela Seegrid, empresa avaliada em mais de US$ 400 milhões.

A nova rodada de financiamento durante a pandemia ressalta a crescente demanda para fortalecer as cadeias de abastecimento cada vez mais dependentes de armazéns e centros de distribuição, à medida que as compras online se tornam mais habitual. A Seegrid espera dobrar a receita este ano e planeja adicionar 100 trabalhadores a uma folha de pagamento existente de 240 funcionários, disse o CEO Jim Rock.

“2021 parece ser um ano ainda maior e melhor”, disse ele em entrevista. “Estamos adicionando clientes como loucos e nossos clientes existentes estão adicionando mais, então é um bom momento para estar no negócio de robôs.”

Fabricados pelas divisões da Toyota e Mitsubishi e, em seguida, equipados com software e tecnologia robótica, os veículos da Seegrid estão se juntando a locais de trabalho repletos de humanos.

Nos EUA, as vagas em armazéns aumentaram para um recorde de 1,22 milhão em agosto, mostram dados do governo, marcando uma recuperação de todos esses empregos eliminados durante a pior queda causada pela Covid-19 em abril.

Investimento em robôs pós-pandemia

A pandemia está transformando os padrões sazonais tradicionais da demanda do comércio eletrônico em aumento do consumo online o ano todo. Isso está forçando as empresas a investir em melhor tecnologia e mais mão de obra para garantir que suas cadeias de suprimentos possam identificar e se ajustar aos novos padrões de compra.

“Eles estão ensinando as pessoas como trabalhar com a tecnologia, não como substituir as pessoas pela tecnologia”, disse Peter Bolstorff, vice-presidente executivo de desenvolvimento corporativo da Associação para Gestão da Cadeia de Abastecimento, grupo da indústria com sede em Chicago. “A ideia é como você dimensiona essa força de trabalho da cadeia de suprimentos para poder trabalhar de forma mais eficaz com a tecnologia – seja robôs físicos ou robôs de sistema.”

Rock disse que a crise do coronavírus está acelerando o que era mais uma tomada gradual da automação que levanta preocupações sobre a perda de empregos das pessoas.

“Haverá mudanças na natureza do trabalho, mas eu não acredito na redução líquida geral no trabalho disponível e nas oportunidades de trabalho – é uma evolução para um tipo diferente de trabalho.”

Leia também: Amazon planeja abrir 100 mil novas vagas nos EUA e Canadá

As informações são do Money Times, com a Bloomberg

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.