Redação E-Commerce Brasil

Brasileiros detestam propagandas que interrompem navegação na internet

Terça-feira, 21 de janeiro de 2020   Tempo de leitura: 1 minuto

Uma pesquisa mostrou que os internautas brasileiros veem de maneira negativa propagandas que quebram ou interrompem sua atividade online. Divulgado pela empresa de publicidade online Outbrain, o estudo realizado com 1007 pessoas concluiu que tal prática é considerada negativa por 89% delas.

Os mais irritantes

Mensagens pop-ups (47%), reprodução automática de vídeo com som (40%) e reprodução automática de vídeo sem som (33%) são considerados os formatos mais irritantes. Isso por não oferecerem uma opção de engajamento, pois são executados sem qualquer permissão do usuário.

Leia também: 54% dos clientes acreditam que uso de dados pelas empresas não os beneficiam

A pesquisa sugere ainda que métricas adotadas para verificar o sucesso dos anúncios podem dar sinais equivocados. Por um lado, 59% dos consumidores não conseguem se lembrar das marcas de anúncios considerados “visíveis”. No entanto, se um produto tem relevância para o consumidor, quase metade dos pesquisados (48%) tendem a lembrar a marca.

“Apesar do Interactive Advertising Bureau (IAB) recomendar que apenas 50% dos pixels devem estar visíveis na tela por dois segundos consecutivos para um vídeo ser considerado visível, testes revelaram que quase três em cada cinco (58%) consumidores não conseguem recordar a marca”, diz o levantamento.

Conteúdo original em Convergência Digital

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.