Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Brasil defende imposto sobre plataformas de e-commerce em reunião na OMC, diz jornal

Quinta-feira, 02 de maio de 2019   Tempo de leitura: 3 minutos

O Brasil sugeriu, durante encontro de nações na Organização Mundial de Comércio (OMC) nesta quinta-feira (2), a possibilidade de os países cobrarem uma taxa interna sobre o e-commerce.

Segundo o jornal Valor Econômico, o Brasil circulou uma proposta que possibilita a cobrança de um imposto local sobre receita e lucro de plataformas online.

Sede da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra/ Foto: Caio Colagrande
Sede da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra/ Caio Colagrande/E-Commerce Brasil

Essa é uma prática já em operação em lugares como Austrália e União Europeia – nos países do bloco europeu, a taxação acaba sendo repassada ao consumidor, mas existem movimentos mirando as plataformas em si.

Esse imposto poderia ser cobrado mesmo que a empresa não tenha presença física no Brasil – o que atinge lojas como Alibaba e valeria também para Facebook, Instagram, Amazon e outras gigantes do comércio.

Não ficou claro se esse imposto contemplaria apenas as plataformas ou, de forma direta ou indireta, afetaria também os lojistas que vendem por meio delas.

O país também defendeu o fim de que uma taxa aduaneira – entre países -, que já não estava sendo cobrada há duas décadas. Outras nações do BRICS – como Índia e África do Sul -, porém, são contra essa medida.

Privacidade

O documento brasileiro coloca a proteção de dados como tema central. Por outro lado, a proposta torna legal o uso de informações dos clientes “para propósitos comerciais legítimos”, segundo o Valor Econômico.

Entretanto, a Lei Geral de Proteção de Dados, aprovada em 2018 e que começa a valer em agosto de 2020 no Brasil, é bastante restritiva em relação à forma como empresas podem usar dados dos clientes.

Na sugestão feita pelos representantes brasileiros, se o internauta autorizar a plataforma a utlizar suas informações, o uso dos dados seria legítimo.

Em janeiro, 76 países entraram em acordo, durante o Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, para iniciar conversas sobre uma regulamentação mundial do e-commerce.

Um acordo sobre o texto final ainda parece estar longe de ser concretizado. Isso porque potências como Estados Unidos, China e Rússia estão em lados opostos em relação a diversos pontos apresentados, como privacidade e abertura de informações por parte das empresas.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.