Redação E-Commerce Brasil

Banco Central aprova regulamento do Pix

Quarta-feira, 12 de agosto de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

O Banco Central informou, nesta quarta-feira (12), que instituiu oficialmente o arranjo de pagamentos Pix e aprovou seu regulamento.

Uma alternativa para ferramentas de transferência como DOC e TED, o Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências bancárias 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Por meio de nota, a instituição afirmou que o sistema de pagamento contará com a ferramenta “Pix Agendado”. Por meio dela, será possível agendar nos bancos um pagamento instantâneo em data futura.

De acordo com o BC, “o início do cadastro de Chaves Pix (número de telefone celular, CPF, CNPJ ou e-mail), que facilitam a identificação do recebedor, se dará em 5 de outubro de 2020”.

A autarquia reafirmou ainda que o início da operação plena está marcado para o dia 16 de novembro deste ano. “O BC analisou as contribuições recebidas e promoveu ajustes, buscando aprimorar o conjunto de regras que regem o funcionamento do Pix para possibilitar a construção de um meio de pagamento eficiente, seguro, inclusivo, competitivo e capaz de acomodar os mais diversos casos de uso”, diz o comunicado.

Custo baixo do Pix

Em evento virtual, o diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello, afirmou que o novo sistema terá um custo baixo. “Hoje as instituições pagam algo como R$ 0,07 por TED”.

No Pix, de cada dez transações que cruzarem pela conta de um recebedor, a instituição pagará R$ 0,01. É basicamente zero”, pontuou. Pinho de Mello afirmou ainda que não haverá tabelamento de preços no Pix.

Ele lembrou que em cartões de crédito e débito e em boletos o consumidor não paga nada para utilizar essas ferramentas. “Quando você usa o cartão de crédito, não paga nada para usar. Quando paga o boleto, você não paga nada”, disse Pinho de Mello. Segundo ele, o mesmo ocorrerá com o Pix. “Por uniformidade (com os demais meios), o pagamento no Pix se dará no meio recebedor”, destacou o diretor do BC.

Impostos nas transações

O diretor evitou tratar de possíveis impactos da eventual adoção de um imposto sobre transações digitais. “Ainda é muito especulativo neste momento”, afirmou Pinho de Mello. Ao mesmo tempo, ele pontuou que o país ainda tem “desafios fiscais importantes pela frente, do lado macro”.

Leia também: Pix reduzirá pagamentos em dinheiro pela metade do que é hoje, aponta estudo

As informações são do Estadão

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.