Redação E-Commerce Brasil

Avaliações falsas na Amazon aumentam durante a pandemia

Terça-feira, 20 de outubro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

As avaliações falsas na Amazon durante a pandemia subiram para níveis normalmente vistos durante a temporada de compras de fim de ano. Cerca de 42% dos 720 milhões de avaliações da Amazon acompanhadas pelo serviço de monitoramento Fakespot de março a setembro não eram confiáveis em relação a cerca de 36% no mesmo período do ano passado. O aumento de avaliações falsas correspondeu à corrida online de milhões de compradores que evitam ir às lojas por causa do coronavírus.

“Só vimos esses números na Black Friday ou no período do Natal de 2019”, disse o fundador e CEO da Fakespot, Saoud Khalifah. “Em 2020, o aumento das avaliações falsas proliferou de maneira rápida, coincidindo com medidas de lockdown nos EUA.” Em contraste, quase 36% das avaliações do Walmart.com monitoradas pela Fakespot durante o mesmo período eram falsas – quase o mesmo nível do ano passado.

Amazon e as avaliações falsas

Avaliações falsas têm sido uma dor de cabeça para a Amazon e outros mercados online há anos, apesar dos esforços das empresas para eliminá-las.

As pessoas que fazem avaliações falsas, às vezes pagas, exageram as vantagens de um produto ou o sabotam para reduzir as vendas. Vários serviços automatizados surgiram para ajudar consumidores a identificarem se as avaliações que estão lendo são reais.

A Fakespot, que monitora comentários na Amazon e no site do Walmart, atribui notas para as redações de produtos. Um “D” significa que 40% a 70% das avaliações de uma determinada listagem são falsas; um “F” alerta os usuários que mais de 70% são suspeitas.

A empresa diz que mais de 20 milhões de usuários usaram a Fakespot desde sua estreia em 2015 – uma prova de quanto os clientes confiam em avaliações e classificações para escolher quais produtos comprar.

“Empresas como a Fakespot e a ReviewMeta que afirmam ‘verificar’ as avaliações não podem determinar concretamente a autenticidade de uma avaliação, pois não têm acesso aos dados de propriedade da Amazon, como revisor, vendedor e histórico do produto”, disse uma porta-voz da Amazon por e-mail.

Ela acrescentou que a empresa está ciente de “agentes mal-intencionados” que tentam abusar do sistema e que a empresa está investindo “recursos significativos para proteger a integridade de nossas análises”.

Khalifah disse que sua empresa observou um aumento das avaliações não confiáveis à medida que a Covid-19 se espalhava pelos Estados Unidos no início deste ano e a demanda por álcool gel, máscaras e outros equipamentos de proteção disparava.

Com base em sua experiência, Khalifah espera que o volume de avaliações falsas aumente com a temporada de compras de fim de ano na Amazon, que será mais movimentada do que o normal, pois consumidores continuam evitando ir às lojas devido ao avanço dos casos de Covid-19. “Se é bom demais para ser verdade”, diz, “provavelmente não é”.

Leia também: Avaliações fraudulentas da Amazon prosperam em grupos do Facebook

As informações são do Money Times, com a Bloomberg

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.