Redação E-Commerce Brasil

Arezzo compra Reserva por R$ 715 milhões e mantém dinheiro em caixa

Segunda-feira, 26 de outubro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

A Arezzo anunciou na sexta-feira (23) a compra da Reserva. A negociação envolveu o pagamento à vista de R$ 175 milhões e mais R$ 50 milhões daqui um ano. Os outros R$ 490 milhões serão pagos em ações. A compra soma assim R$ 715 milhões.

A empresa diz que o financiamento foi feito pelo próprio caixa da companhia, sem a necessidade de contrair uma nova dívida. Assim, segundo a diretora de Relações com Investidores da companhia, Aline Penna, “há colchão para outros movimentos que não devem ser dessa magnitude”. De acordo com dados do segundo trimestre deste ano, a companhia teria cerca de R$ 500 milhões em caixa, o que dá e sobra para arcar com esse primeiro pagamento.

O presidente da Arezzo, Alexandre Birman, disse ao Broadcast Estadão que o movimento se trata de uma incorporação e da criação de um novo braço. A Reserva passa a se chamar Ar&Co e os executivos do primeiro escalão têm lugar cativo na companhia. “Tecnicamente é uma compra, mas, de fato, não é. Porque os gestores, fundadores e sócios são automaticamente sócios e líderes da Arezzo&Co. Com autonomia grande no vestuário e no lifestyle”, disse ao Broadcast.

Dentre os planos para o novo núcleo está expandir o modelo de franquias para as marcas da Reserva. “A geração de caixa faz parte do nosso modelo de negócios. Não precisamos de capital intensivo para crescimento. Isso a gente pretende manter e adicionar através de crescimento de franquias no grupo Reserva”, disse Birman.

Arezzo no omnichannel

O Grupo Reserva conta hoje com 78 lojas próprias e 32 franquias, além de estar presente em 1,5 mil multimarcas. Em 2019, o Grupo Reserva faturou R$ 400 milhões. Durante a crise, a empresa viu seu faturamento cair 75% com o fechamento das lojas.

Já em junho, o sócio fundador Rony Meisler diz que voltou a vender próximo aos 100% em relação aos números de 2019, atingindo cerca de 120% nos meses seguintes. Após a conclusão da transação, a agora AR&Co terá Meisler como CEO da operação.

Quanto à lenta recuperação do setor de vestuário, indicada por analistas, Birman afirma que os números do terceiro trimestre da Arezzo devem mostrar uma realidade diferente. “Nossa recuperação está em linha com o que havíamos previsto, principalmente quando olhamos a questão omnichanel (multicanalidade)”, afirmou à publicação.

Um relatório recente do banco Citi reduziu as estimativas de vendas para 2021 e 2022 da companhia “em função da recuperação mais lenta das lojas”, o texto dizia que não se esperava que o e-commerce em ascensão compensasse essa lenta retomada. Ainda assim, o crescimento das vendas digitais foi ressaltado.

Leia também: Arezzo&Co lança marketplace com todas as marcas do grupo

As informações são do Broadcast Estadão

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.