Redação E-Commerce Brasil

Amazon cria unidade contra pirataria para levar falsificadores à justiça

Terça-feira, 30 de junho de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

A Amazon anunciou ter estabelecido uma nova Unidade de Crimes Contrafeitos, dedicada a levar falsificadores que violam a lei e as políticas da empresa, listando produtos falsificados em sua loja à justiça.

A Unidade de Crimes Contrafeitos da Amazon é uma equipe multidisciplinar global composta por ex-promotores federais, investigadores experientes e analistas de dados e se juntará ao amplo trabalho da Amazon para acabar com os produtos falsificados.

O primeiro objetivo da Amazon é impedir que uma falsificação seja listada em sua loja, e seus abrangentes programas proativos de contrafação garantiram que 99,9% de todos os produtos da Amazon visualizados pelos clientes não tivessem uma reclamação válida.

Em 2019, a Amazon investiu mais de US$ 500 milhões e teve mais de 8.000 funcionários combatendo fraudes, incluindo falsificações. Os esforços da Amazon bloquearam mais de 6 bilhões de suspeitas em 2019 e mais de 2,5 milhões de contas de suspeitos de agir de má fé antes que pudessem disponibilizar produtos para venda.

Violação das normas

A Unidade de Crimes Contrafeitos da Amazon investigará os casos em que um suspeito tentou desviar dos sistemas da Amazon e listou uma falsificação em violação às políticas da Amazon.

A Unidade de Crimes Contrafeitos irá extrair dados da empresa, coletar informações de recursos externos, como provedores de serviços de pagamento e inteligência de código aberto, e aproveitar ativos locais para conectar os pontos entre os alvos.

A unidade permite que a Amazon prossiga de maneira mais efetiva litígios civis contra quem viola as regras, trabalhe com marcas em investigações conjuntas ou independentes e ajude os policiais em todo o mundo em ações criminais contra falsificadores.

“Todo falsificador é avisado de que será responsabilizado na medida do possível sob a lei, independentemente de onde eles tentem vender suas falsificações ou onde estão localizadas”, disse Dharmesh Mehta, vice-presidente de Customer Trust e Partner Support da Amazon.

“Estamos trabalhando duro para interromper e desmantelar essas redes criminosas e aplaudimos as autoridades policiais que já fazem parte dessa luta. Instamos os governos a fornecer a essas autoridades as ferramentas de investigação, o financiamento e os recursos necessários para levar os falsificadores criminais à justiça porque a execução criminal — por meio de ações penais e outras medidas de interrupção, como congelamento de ativos — é uma das maneiras mais eficazes de detê-los”, afirmou Mehta.

Colaboração com autoridades locais

A nova unidade se baseia no histórico estabelecido de colaboração da empresa com marcas e órgãos policiais para responsabilizar os falsificadores por meio de multas, litígios civis e processos criminais.

A Amazon se envolve ativamente com autoridades como o Centro Nacional de Direitos de Propriedade Intelectual (EUA), Europol (UE) e autoridades de execução relevantes na China e em todo o mundo.

Em maio, a Amazon identificou falsificadores com base no Canadá, China, República Dominicana, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Coreia, Espanha, Emirados Árabes, Reino Unido e Estados Unidos, e referiu cada um às autoridades nacionais relevantes.

Leia também: 37% dos brasileiros já desistiram de fazer compra online por esquecerem a senha

As informações são do Business Wire

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.