Redação E-Commerce Brasil

Amazon exclui 20 mil avaliações de produtos que teriam sido pagas

Quarta-feira, 09 de setembro de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

Uma investigação feita pelo Financial Times revelou um esquema que estaria sendo praticado no site da Amazon no Reino Unido. De acordo com a publicação, a gigante do varejo removeu cerca de 20 mil avaliações de produtos porque, segundo indícios, foram pagas para serem feitas.

A reportagem mostrou que nove dos dez maiores revisores britânicos da Amazon enviaram críticas cinco estrelas a produtos de marcas chinesas pouco conhecidas. Os produtos foram encontrados em grupos e fóruns do Facebook que oferecem brindes ou dinheiro em troca de classificações positivas no site.

Depois da reportagem do Financial Times, a empresa removeu 20 mil avaliações de imediato, além de também excluir milhares de avaliações que foram analisadas pela University of Southern California (USC) e pela University of California, Los Angeles (UCLA), que identificaram mais de 2.500 grupos em fóruns e no Facebook.

Uma das pessoas identificadas pela reportagem do periódico era Justin Fryer, um dos avaliadores mais bem classificados dentro do site da Amazon do Reino Unido.

Segundo a publicação, Fryer avaliou produtos que, somados, custariam algo na casa dos US$ 20 mil, como laptops, brinquedos e artigos para o lar. Esses produtos acabaram listados para uma conta no eBay com seu nome e endereço, o que pode indicar que ele estaria recebendo alguns desses itens e revendendo-os depois.

Em contato com o pessoal do Financial Times, Fryer negou ter recebido os produtos de graça em troca de análises positivas e disse que as listagens do eBay eram de produtos duplicados que ele recebeu. Ele excluiu seu histórico de resenhas da Amazon depois de ser contatado pela reportagem.

Leia também: Amazon criará 7 mil vagas permanentes no Reino Unido

Avaliações e algoritmos

As avaliações positivas no site da Amazon estimulam o algoritmo de classificação de produtos no portal e determinam se eles recebem o cobiçado rótulo de “escolha da Amazon”. Por causa disso, os fornecedores começaram a oferecer a esses avaliadores seus produtos gratuitamente — ou mesmo por uma comissão — em grupos e fóruns do Facebook.

A Amazon, por sua vez, alega que investiu mais de US$ 500 milhões no combate a fraude e abuso online em 2019, tanto em software quanto em profissionais. “Queremos que os clientes da Amazon comprem com confiança, sabendo que as avaliações que leem são autênticas e relevantes”, disse um porta-voz da Amazon em comunicado enviado ao Financial Times.

O Canaltech entrou em contato com a Amazon do Brasil para verificar se algo parecido aconteceu por aqui, mas, até o final da edição da matéria, não teve retorno.

Leia também: Vigilância da Amazon a funcionários pode limitar sindicalização, diz estudo

As informações são do Canaltech

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.