Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Amazon apresenta armazém automatizado com robôs autônomos e mais

Quarta-feira, 22 de junho de 2022   Tempo de leitura: 9 minutos

A Amazon exibirá quatro novas peças de tecnologia robótica, incluindo robôs totalmente autônomos e scanners de alta tecnologia, em seu evento re:MARS em Las Vegas. A nova tecnologia chega dez anos após a compra da Kiva pela Amazon, que desencadeou uma corrida armamentista entre os varejistas para entregar produtos cada vez mais rápido e eficientemente com a ajuda da automação.

Além do robô autônomo e dos scanners, a tecnologia que a Amazon está exibindo inclui uma célula de trabalho robótica para movimentação de pacotes pesados ​​e um sistema de armazenamento em contêiner. O último está sendo testado em beta no Texas, enquanto os outros estão em testes alfa em estágio inicial.

“Esta é a coisa real”, disse Tye Brady, tecnólogo-chefe da Amazon Robotics, à Forbes antes de seu discurso no re:MARS. “Há uma grande diferença entre fazer algo em um laboratório ou algo que você mostra no YouTube e algo que implantaremos em nossos centros de distribuição.”

Dada a escala da Amazon, que registrou US$ 470 bilhões em receita no ano passado, qualquer nova tecnologia precisa funcionar milhares de vezes por dia, com confiabilidade, eficiência e segurança. Toda a nova tecnologia de logística foi desenvolvida internamente pelo grupo de robótica da Amazon.

O robô totalmente autônomo, chamado Proteus, é o primeiro da Amazon. O robô verde e preto atarracado pode navegar de forma autônoma pelos armazéns da Amazon e levantar GoCarts para movê-los para a doca de saída, organizando-os com a ajuda do aprendizado de máquina para configurar os pacotes para serem carregados na ordem correta.

Embora a maioria dos robôs autônomos congele quando veem grupos de pessoas, diz Brady, Proteus será capaz de contorná-los. “Vai muito lentamente passar por aquela multidão de pessoas, muito lentamente, muito intencionalmente”, diz ele. “O aprendizado de máquina é tão novo que o compartilhamos com o Lab126”, equipe de pesquisa e desenvolvimento da Amazon para dispositivos eletrônicos de consumo de alto perfil.

A célula de trabalho para embalagens pesadas, conhecida como Cardinal, por sua vez, usa inteligência artificial e visão computacional para selecionar um pacote de uma pilha, levantá-lo e colocá-lo em um carrinho, permitindo que a triagem de pacotes aconteça mais cedo e reduzindo o risco de lesões. A Amazon está atualmente testando o braço robótico Cardinal para manuseio de pacotes que pesam até 50 libras.

Essa tecnologia é uma extensão de um braço robótico existente, conhecido como Robin, que está em campo há cerca de um ano, diz Brady. “Isso nos deu a confiança de que podemos pegar pacotes pesados ​​com esses braços robóticos”, diz ele.

O sistema de digitalização de alta tecnologia , por sua vez, usa inteligência artificial e câmeras rodando 120 quadros por segundo para digitalizar automaticamente os pacotes à medida que os funcionários do armazém se movem. Ele opera em segundo plano, eliminando efetivamente a necessidade de os funcionários usarem scanners portáteis para registrar códigos de barras à medida que os pacotes se movem em direção ao seu destino.

Por fim, o sistema de armazenamento em contêiner muda a maneira como os itens se movem, colocando contêineres em cápsulas maiores que podem se mover pelo centro de distribuição. As cápsulas maiores podem transportar mais mercadorias, cerca de 2.000 libras, contra 1.200 libras em suas cápsulas amarelas existentes. O software determina qual cápsula contém o recipiente com o produto necessário, onde esse recipiente está localizado na cápsula e como pegá-lo e puxá-lo para o funcionário.

Na última década, a Amazon diz que implantou mais de 520.000 unidades de acionamento robótico e adicionou mais de um milhão de empregos em todo o mundo. A empresa investiu centenas de milhões de dólares no desenvolvimento de novas robóticas durante esse período, mas se recusou a fornecer um número mais específico. “Gosto de pensar que desempenhamos um papel muito importante no crescimento da Amazon”, diz Brady. À medida que o grupo continua a desenvolver novas tecnologias no que ele vê como uma era de ouro para a robótica, “o que não vai mudar é a nossa obsessão pelo cliente”, diz ele.

Além de seu próprio grupo de robótica, a Amazon criou no início deste ano um fundo de inovação industrial de US$ 1 bilhão para investir em cadeia de suprimentos, atendimento e logística. As startups que a Amazon está apoiando incluem a Modjoul, uma empresa de tecnologia de segurança vestível iniciada pelo ex-chefe de sinistros da gigante de seguros AIG, e a BionicHive, com sede em Israel, que desenvolveu um robô autônomo chamado Squid que pode se mover ao longo de prateleiras em três dimensões.

Embora os críticos da automação tenham apontado para o potencial da tecnologia para substituir os trabalhadores, Brady enfatiza que as máquinas e as pessoas da gigante do varejo devem trabalhar juntas. “Substituir pessoas por máquinas é apenas uma falácia”, diz ele. “Você provavelmente vai acabar falindo se tiver essa filosofia de substituição.”

A Amazon cresceu durante a pandemia, à medida que os consumidores encomendavam cada vez mais produtos online. Mas, à medida que os consumidores começaram a diminuir os gastos online, a Amazon começou a reduzir a expansão de sua enorme rede de armazéns.

A empresa registrou prejuízo de US$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre. “Hoje, como não estamos mais buscando capacidade física ou de pessoal, nossas equipes estão totalmente focadas em melhorar a produtividade e a eficiência de custos em toda a nossa rede de atendimento”, disse o CEO da Amazon, Andy Jassy, ​​em comunicado na época.

As ações da Amazon, que fecharam em US$ 109, caíram 35% até agora este ano.

Leia também: Amazon estreia na Califórnia suas entregas com drones

Fonte: Forbes

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER