Redação E-Commerce Brasil

Com 6 meses de existência, Pix movimenta mais de R$ 1 trilhão

Quarta-feira, 19 de maio de 2021   Tempo de leitura: 4 minutos

O Pix completou seis meses de operação no último domingo (16) e se consolidou como uma das principais formas de pagamento no país. Em abril, a quantidade de Pix superou a quantidade de TED, DOC, cheque e boleto somados. As transações realizadas pelo sistema (1,547 bilhões) já foram responsáveis pela movimentação de mais de R$ 1,109 trilhões.

Desde o seu lançamento, aproximadamente 75 milhões de brasileiros usaram o sistema de pagamento instantâneo, seja para pagar ou receber. Ou seja, 45% da população adulta do Brasil já usou o sistema de pagamento em algum momento.

Dados do Banco Central mostram que já existem mais de 242 milhões de chaves cadastradas, sendo 83 milhões de usuários pessoas físicas e mais de 5,5 milhões de empresas.

“O Pix completa seis meses de operação e já é amplamente aceito em todo Brasil, sua adoção foi extremamente rápida e vem crescendo mais a cada semana. Milhões de brasileiros já usam o Pix no seu dia a dia e o pagamento para empresas está com uma taxa média de crescimento bastante acelerada, em 57,5% ao mês. Em comparação a outros sistemas de pagamentos instantâneos no mundo, o Pix figura entre os que tiveram adoção mais rápida. O Pix veio para ficar e continuará evoluindo com novas funcionalidades”, afirmou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Evolução do Pix

O sistema de pagamento instantâneo foi lançado em novembro de 2020. No primeiro trimestre de 2021 foi disponibilizada nova funcionalidade que permite o desenvolvimento pelas instituições participantes de soluções que integrem a lista de contatos, facilitando a visualização de quem tem chave Pix cadastrada. Além disso, as instituições tiveram que disponibilizar pelos próprios aplicativos a gestão de limites de valores.

No dia 14 de maio, foi lançado o Pix Cobrança para pagamentos com vencimento, que possibilita o cálculo automático de multa e juros ou descontos para pagamentos antecipados, de forma similar ao boleto. A gestão da cobrança é feita por meio da Pix API, padronizada pelo BC, que possibilita a criação, individual ou em lote, de cobranças via QR Code e a verificação do recebimento para integração em procedimentos de conciliação.

De acordo com o Banco Central, está aberta consulta pública que trata do Pix Saque e do Pix Troco. As duas novas funcionalidades estão previstas para serem implementadas no segundo semestre deste ano e possibilitarão a retirada do dinheiro em espécie por meio do sistema.

Confira algumas novidades previstas até o fim do ano:

  • Inclusão da conta salário na lista de contas movimentáveis por Pix;
  • Pix aproximação: para dar mais facilidade e conveniência na iniciação de um Pix e para atender casos de uso específicos;
  • Possibilidade de fazer transferência entre usuários que estejam sem acesso à internet;
  • Iniciador de pagamentos no Pix, com desenvolvimentos que seguirão a especificação técnica definida no âmbito do Open Banking, para permitir que os iniciadores possam ser participantes do sistema de pagamento, agregando ainda mais competição ao ecossistema.

Leia também: Pix poderá fazer transferências a outros países no futuro, diz BC

Fonte: Banco Central

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.