Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

44% das pessoas no Sudeste devem comprar na Black Friday

Sexta-feira, 08 de novembro de 2019   Tempo de leitura: 6 minutos

De 1.000 consumidores entrevistados no Sudeste, 440 devem aproveitar a Black Friday para irem às compras neste ano. Ainda que o números sejam relevantes, as marcas ainda podem converter cerca de 480 pessoas que ainda estão indecisas.

Somente 8% dos entrevistados foram categóricos em informar que a data não os levará às lojas ou ao e-commerce. É isso que aponta pesquisa encomendada pela In Loco para a MindMiners com 1.000 consumidores da região sudeste.

Ranking dos objetos desejados:

  • 1º: empate entre roupas e celulares (36% da intenção de compras);
  • 2 º: sapatos (27%);
  • 3º: livros (26%);
  • 4º: empate entre produtos de beleza e informática (24%);
  • 5º: eletrodomésticos (22%);
  • 6º: TV (21%).

O bem de consumo menos desejado entre os 1.000 pesquisados na Black Friday é o carro com apenas 4% da intenção dos avaliados.

Entre os entrevistados, mais de 75% já compraram produtos nas Black Fridays passada. Sendo que 89% não se endividou comprando na data e somente 11% contraiu dívidas que não foram possíveis de ser quitadas.

Para as pessoas que responderam a pesquisa, as marcas que oferecem mais descontos durante a data são:

  • 1º: Lojas Americanas (68%);
  • 2º: Magazine Luiza  (49%);
  • 3º: Submarino (45%);
  • 3º: Extra (36%);
  • 4º: Casas Bahia (34%).

“A importância desses estudos para o mercado é poder atualizar suas campanhas e páginas no site de acordo com o interesse dos públicos-alvo”, explica Lucas Mathias, especialista em marketing da MindMiners.

“Por exemplo, existem diferenças quando analisamos os comportamentos dos consumidores por gênero: enquanto a maior parte do público masculino pretende comprar games (41%), seguido de smartphones (39%) e equipamentos de informáticas (38%), como computadores, monitores, impressoras, etc; o público feminino está mais interessado em roupas (39%), produtos de beleza (34%) e smartphones (34%)”, analisa o especialista.

O mês de novembro com um todo é relevante para o varejo, e não só a Black Friday. Segundo dados de avaliação do comportamento do consumidor da In Loco, em 2018, o potencial de atração de visitas às lojas nos feriados do dia dos Finados e da emenda do Feriado da Proclamação da República foi quase tão relevante como a Black Friday.

E-commerce ou lojas físicas

Desde que entrou no calendário dos brasileiros, a Black Friday bate recordes de vendas ano após ano. Como a data não é feriado no Brasil, a maior parte das compras continua acontecendo majoritariamente no e-commerce — 71%.

Já o comércio físico representa 29% das vendas e vem ganhando cada vez mais força. Mas vale destacar que o e-commerce no Brasil representa apenas 5% das vendas, enquanto o varejo físico representa os outros 95% do comércio, segundo pesquisa feita pela E-Consulting.

“A multicanalidade será o grande trunfo desta Black Friday. A união do varejo físico e online ainda é um desafio para a data, mas com as ferramentas certas é possível criar uma estratégia O2O (online to offline), aumentando ainda mais o faturamento da data.”, diz André Ferraz, CEO e cofundador da In Loco.

Oportunidade

Quando a Black Friday entrou no calendário do comércio brasileiro em 2010, somente os e-commerces realizavam promoções. Hoje em dia, o varejo físico já se tornou relevante e até os bancos aderiram a data. Além de ações específicas para aumentar a fidelização do consumidor, as instituições financeiras aproveitam a data para promover educação de consumo consciente e estimular as pessoas a pagarem dívidas:

Segundo a pesquisa, 65% dos entrevistados deixaria de comprar na Black Friday para acertar dívidas no banco e 25% tentariam pagar uma parte da dívida para aproveitar a oferta do banco, mas não deixariam de comprar produtos na Black Friday. Apenas 10% mesmo tendo dívidas pra pagar, não deixaria de comprar produtos mais baratos.

Metodologia

A pesquisa foi realizada em abril de 2019 com mil pessoas na região Sudeste do Brasil através de um painel de respondentes online, o MeSeems. Dos respondentes, 64% são mulheres e 36% são homens.

As faixas etárias variam entre: 30% de 31 a 40 anos, 29% de 18 a 24 anos, 25% de 25 a 30% e 16% são +41.

Sendo 32% classe B2, 25%, classe C1, 15%, classe B1, classe A, 14%, C2, 11% e D&E, 3%.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.