Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

36% das empresas desistem de empreender por medo de violência e roubo de carga

Segunda-feira, 25 de junho de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos

Dados apresentados na manhã desta segunda-feira (25), durante evento da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), mostram o impacto do roubo de carga na economia nacional e no varejo. De acordo com os números divulgados, 36% das empresas desistiram de empreender por causa de assaltos ao transporte.

Segundo João Henrique Martins, do departamento de Defesa e Segurança da Fiesp, quase metade das empresas já teve sua carga roubada. “Enxergamos a fase da produção, distribuição de atacado e varejo. O roubo de carga está presente na etapa de produção e transporte. A produtividade das polícias aumenta, mas o problema continua por conta desse mercado que absorve desses roubos”, lamentou.

O eixo Rio-São Paulo ainda é o principal motivo de preocupação das entidades presentes no evento. Segundo Carlos Souza, diretor do departamento de Defesa e Segurança da Fiesp e diretor da Swint, esses crimes impactam a qualidade dos negócios, fazendo com que muitas empresas fechem as portas por medo.

De acordo com ele, o governo federal “já acordou” e entendeu que a estratégia principal deve ser empoderar a Polícia Rodoviária Federal e discutir, em conjunto, a criação de políticas de combate ao roubo de carga.

Um estudo da Associação Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas e Logística, apresentado em maio de 2018, revelou que, no ano passado, foram registrados 25,9 mil roubos de carga no Brasil, com um prejuízo estimado em R$ 1,5 bilhão. De cada cinco roubos, quatro ocorreram em São Paulo e no Rio de Janeiro. Esses crimes resultam em altas nos custos com seguro para as empresas, o que já representa 14% do faturamento.

Pirataria

Edson Vismona, presidente do Fórum de Combate à Pirataria, lembrou que o Projeto de Lei 1530/2015, em tramitação no Senado Federal, permite a cassação das inscrições estaduais de empresas flagradas recrutando carga roubada. Segundo ele, ainda é possivel cancelar a CNH dos motoristas e o CNPJ das empresas.

Para ele, é preciso ainda envolver o consumidor nesse processo, estimulando, por exemplo, o uso do App SP + Segura, que permite a qualquer pessoa fazer denúncias por meio de próprio smartphone.

Já José Roberto Gonçalves, diretor geral substituto da Policia Rodoviária Federal, chamou a atencao para a falta de policiais rodoviários – são 10 mil atualmente – e a crise ética do país. “Todo mundo quer levar vantagem [sobre o roubo de carga]. Precisamos de leis que favoreçam investimentos em segurança, como a isencao do imposto sobre os combustíveis de veículos policiais, e modernizar os processos da Polícia”, defendeu.

Ele citou também a possibilidade de implementar o rastreio obrigatório em todos os veículos – o que ajudaria a localizar os veículos que participaram de roubos.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.