Quick access:

Quais são os custos que pagamos pelo fast fashion?

por Vivianne Vilela Quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Esta semana vi o documentário The True Cost, produzido por Andrew Morgan, sobre a indústria da moda, no Netflix. Ele só reforçou uma reflexão, que eu e você (seja como consumidora ou como empreendedora) precisamos questionar: para que as roupas que queremos tenham preços baixos é preciso que alguém esteja pagando por isso, certo? Quais são os custos da indústria da moda atual e como eles estão sendo pagos? Onde?

The True Cost

O documentário faz uma série de perguntas e as respostas estão em imagens, fatos, números chocantes (nauseantes, eu diria) para questões como:

  • Qual o verdadeiro custo de camisetas sendo vendidas a USD 2?
  • Qual o verdadeiro custo da moda descartável?
  • O que está por trás de um consumo de moda que cresceu 500% nos últimos 20 anos com produtos cada vez mais baratos, ano após ano?
  • As pessoas em países em desenvolvimento realmente precisam trabalhar sob condições tão precárias?
  • O jeito que se faz moda hoje é o único jeito?
  • Comprar peças por U$ 5,10, 20 é realmente democrático?
  • A forma de produção só pode ser esta?

The True Cost

“A indústria do vestuário é a indústria mais dependente do trabalho humano no mundo, empregando milhões de trabalhadores que são os mais pobres de todo o sistema, muitos dos quais são mulheres. Muitas destas mulheres recebem menos do que um salário mínimo, trabalham em condições inseguras, e são privadas de direitos humanos básicos. Além do impacto humano, a moda se tornou a segunda indústria mais poluente do mundo – perdendo apenas para a indústria do petróleo”.

The True Cost

O diretor resolveu visitar e conversar com pessoas diferentes da indústria global da moda, desde os trabalhadores que ganham U$ 2 por dia, aos donos das fábricas têxteis, aos produtores de algodão, aos ativistas pelos direitos humanos na Índia, China, Bangladesh, Camboja, aos economistas que são a favor ou contra o sistema. Só não conseguiu conversar com as grandes varejistas, que recusaram ceder entrevistas. Uma visão angustiante das conseqüências de nossa dependência do fast fashion.

The True Coast

Alguns números apresentados no decorrer do documentário:

  • Na década de 1960 95%das roupas utilizadas pelos americanos eram feitas nos EUA. Atualmente, somente 3% são produzidas dentro do País. As marcas americanas continuam liderando no setor de moda mas já não sai mais donas de fábricas com milhares de funcionários americanos. A produção foi terceirizada em vários países em desenvolvimento, onde não são donas de unidades fabris e muito menos, de funcionários.
  • Uma em cada seis camisas sociais usadas pelos americanos é produzida pela Tal Group (Chinesa) que emprega somente no setor fabril, 25.000 pessoas.
  • A indústria da moda mundial significa um mercado de mais de U$ 3 trilhões/ano.
  • Mas calma, nem tudo está perdido ou sem esperança nesta indústria que tanto gostamos. Marcas como People Tree, loja inglesa, criada por Safia Minney, tem um modelo de comércio justo, de verdade, em todas as etapas da produção até a loja online. Sem falar no trabalho de mulheres como Stella McCartney, Livia Firth (líderes de moda ética) e Vandana Shiva (uma física, ecofeminista e ativista ambiental da Índia), que trabalham para criar um novo sistema na indústria da moda.

Sem fazer mais spoiler, recomendo que veja o documentário e depois, se quiser, podemos conversar sobre as suas e as minhas reflexões.

The True Cost

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo