Quick access:

Como a geração Y se relaciona com as marcas nas redes sociais

por Thiago Sarraf Quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O entusiasmo dos mais jovens em fazer amizade com marcas pode não estar tão acima da média.

O estudo “American Milennials”, conduzido pela empresa Barkley, descobriu que mais da metade da Geração Y, definidos no estudo como consumidores entre as idades de 16 e 34 anos, gostam de procurar sobre marcas nas redes sociais. Essa quantidade se compara com apenas um pouco acima de um terço de adultos mais velhos.

O estudo também descobriu que um terço da Geração Y gosta mais de uma marca se ela estiver nas redes sociais. Isso é quase o dobro da porcentagem de adultos mais velhos que disseram a mesma coisa. Apesar do número, mais de 30% da Geração Y acha irritante que marcas estejam em sites como Facebook e Twitter – fazendo desse grupo menos tolerante ao marketing nas redes sociais do que aqueles entre 35 a 74 anos.

O estudo da Barkley descobriu que a Geração Y tem mais probabilidade de “Curtir” uma marca no Facebook do que adultos, e o fazem com mais frequência. A taxa de interação também é maior.

Cerca de um quarto das pessoas da Geração Y (23.5%) interagiu com conteúdo da página de uma marca no Facebook ao menos uma vez por dia, comparado a 17% dos adultos mais velhos que fizeram o mesmo. A Geração Y também está 4,4% mais propícia a interagir com o conteúdo de uma marca entre uma e seis vezes por semana. Enquanto quase a mesma quantidade de pessoas entre ambas as faixas etárias terem interagido com menos frequência, no geral a probabilidade de adultos nunca se envolver com o conteúdo de uma marca no Facebook é duas vezes maior.

As marcas tem a oportunidade de não somente atrair jovens adultos como seus fãs, mas também de interagir com eles frequentemente. O fato de muitos da Geração Y acessarem o Facebook quase todos os dias é uma porcentagem relevante, significa que uma corrente de conteúdo valioso e atualizado tem potencial de atrai-los cada vez mais – contanto que isso não os irrite.

Deixe seu comentário

4 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo