Uma rápida visão sobre o crescimento do e-commerce

por leonardomoraes Terça-feira, 02 de abril de 2013

Enquanto o cresimento do PIB não chegou nem a 2% no ano passado, o e-commerce brasileiro cresceu aproximadamente 25% em 2012. Isto quer dizer que dentro do próprio PIB, o e-commerce já representa 1% do bolo.

Em junho de 2012 as compras virtuais realizadas através de dispositivos móveis representaram 1.3% do total. Na mesma época de 2011 este número foi de 0.3%. Seu comércio online já está preparado para ambientes do universo mobile? Deveria! Pois já somos 600.000 pessoas realizando transações comerciais a partir de tablets e smartphones e em qualquer lugar. Seja no coletivo a caminho do trabalho, no restaurante de um shopping center em alguma WIFI Zone, etc.

Mas em paralelo a isso a satisfação do consumidor caiu de 87% em 2007, para 85,5% em 2012. Esta queda pode parecer pouco em 5 anos; e é. Mas foi acarretada pela menor oferta de frete grátis, redução no prazo de pagamentos e falha na entrega dos produtos. Isto sem falar no amadurecimento do consumidor que exige mais qualidade nos fornecedores no pré e pós venda.

cresce

FRAUDES

As principais empresas de varejo perceberam que não poderiam tratar este assunto sozinhas e dentro de casa. É necessária a contratação de prestadores de serviços que consigam simultânemente aumentar a taxa de aprovação de transações no mesmo passo em que protegem os varejistas do chargeback mantendo-o em níveis baixos e aceitáveis.

Mas o que é o CHARGEBACK?

Alguém (amigo do alheio) sob alguma forma ilícita tem acesso ao seu número de cartão de crédito, faz compras em seu nome e recebe os produtos. Você ao receber a fatura do cartão entra em contato com o emissor e diz não reconhecer as compras que foram indevidamente realizadas. Neste momento do processo o emissor do cartão de crédito entra em contato com o lojista e contratualmente faz com que se realize o estorno da compra fraudulenta. Quem entuba o prejuízo é o lojista! Deu-se caracterizado o chargeback.

E o lojista ainda corre outro risco gravíssimo que em caso de alto índice de chargeback, o emissor do cartão pode cancelar unilateralmente o contrato de forma que tanto a loja virtual quanto o comércio físico não possam mais oferecer determinada bandeira de cartão aos seus clientes. Trata-se de um incidente ocasionando grave e negativo reflexo a partir do mundo virtual no físico.

Entende-se então que o problema não é a fraude em si. E sim a alta incidência de cancelamentos de vendas que podem expor a imagem de um lojista fazendo com que perca, por exemplo, tudo o que investiu em marketing para atrair a clientela a sua loja de e-commerce. Estima-se que o custo para atrair uma única pessoa a sua loja gire em torno de R$70,00 a R$100,00.

Cases de empresas que deixaram de usar soluções caseiras e passaram a contratar prestadores de serviço anti fraudes digitais

Companhia Aérea – Uma famosa empresa de aviação estava gerenciando internamente o departamento anti fraude do seu e-commerce e apenas conseguia por mês aprovar 89% dos pedidos enquanto o seu chargeback girava em torno de 3%. Após contratar a líder de mercado no segmento anti fraude de e-commerce, passou a aprovar 99% dos pedidos e reduziu a fraude para 0,56%. Em 3 meses obteve aumento real de faturamento na ordem de 10%.

Grande Varejista – Estava com chargeback de 5% com 82% de aprovações. Passou respectivamente para 0.13% e 98% que financeiramente traduzidos em moeda significou um aumento de faturamento de R$200.000,00 por dia.

DIFERENÇA de ANÁLISE

Observe então que os bancos e/ou as bandeira de cartões de crédito apenas realizam a análise do saldo do cartão no momento da compra. Se tem saldo a compra é autorizado e pronto e ponto.
Já com a empresa que possui expertise anti fraude contratada, serão checados e em segundos vários itens de segurança no ato da compra caso o banco já tenha dado o OK referente ao saldo.

RECOMENDAÇÃO

Se você já é detentor de uma plataforma de e-commerce, é lojista e/ou varejista, não tente reinventar a roda no que se refere a sua estratégia de combate à fraude digital. Queime etapas que certamente representam muito tempo e dedicação corporativa e parta imediatamente para uma solução terceirizada de análise de fraudes virtuais e digitais. Você não só ganhará mais tempo na autorização dos pedidos. Ganhará mais eficiência e demonstrará segurança aos seus clientes evitando transtornos e perdas financeiras que ainda por cima podem gerar passivos jurídicos e danos a sua imagem institucional.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.