Acesso rápido

Um “banho de loja” com a taxonomia navegacional

por Charlley Luz Quinta-feira, 17 de Maio de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

Taxonomias navegacionais para ambientes digitais podem mudar a experiência do usuário e melhorar a encontrabilidade de informações e produtos. Elas surgem como uma forma de estruturar melhor os conteúdos que se acumulam nos ambientes digitais ao longo dos anos.

Portais e lojas online que foram lançados há anos geram uma carga enorme de conteúdos e produtos com o passar do tempo, que podem acabar escondidos, subaproveitados ou ainda passar uma sensação de bagunça e desorganização para os usuários.

Mas como fazer uma taxonomia adequada e aplicável para ambientes digitais e lojas online? Existem procedimentos para a criação de taxonomias indicados por normas internacionais. Em relação a sua utilização o primeiro passo é escolher a forma como a taxonomia será aplicada no ambiente. Ela estará presente no sistema de navegação e no sistema de organização de conteúdos da arquitetura de informação de seu ambiente digital.

Assim, pode-se criar uma nova camada de navegação em uma outra interface que assuma o papel de home page, até a antiga ser desativada, e que evidencie novas categorias e grupos informacionais, mais aderentes ao modelo mental do usuário. Tal escolha implica em mais programação e desenvolvimento, mas pode ser uma solução para dar uma renovada radical naquele portal ou loja que todo mundo tá cansado de acessar.

Outra alternativa é utilizar uma nova estrutura de classificação como forma de indexação, criando um campo para a aplicação de tags (palavras-chave) nos conteúdos ou produtos. Assim quem procura por Laptop, Notebook e Portátil tem o mesmo número de respostas.

Estas tags devem estar alinhadas à nova estratégia de taxonomia, possibilitando que os conteúdos e ofertas sejam agrupados com seus “novos nomes”. Neste caso, o impacto na navegação é menor, pois estas tags podem estar aplicadas no próprio texto. Como agregação uma página de resposta da busca acaba unificando estes itens, tornando-se uma land page temática.

Experimentei as duas estratégias num mesmo cliente, além de criarmos uma experiência de navegação inédita com novos grupos informacionais para uma home renovada, de uma intranet datada de 2009, também possibilitamos a navegação por tags em cada item de conteúdo.

Estas novas formas de interação permitiram um relançamento de uma nova intranet, sem que fosse feito um esforço maior na migração de tecnologia de CMS (Content Management System) ou na produção de conteúdo. Algum esforço apenas em algumas reclassificações de produtos e conteúdos. Mas sem uma grande alocação de recursos tecnológicos. Foi uma forma inovadora e econômica de lidar com um velho problema.

Os ambientes digitais e lojas virtuais também passam por ciclos de vida. São lançados, acumulam produtos, conteúdos e informações e uma hora precisam ser repensados, passarem por uma limpa. Devem passar por um tratamento de renovação e possibilitar novas experiências para os usuários.

E necessariamente isso não precisa ser um novo projeto do zero, em uma nova plataforma e com custos astronômicos. É possível dar um “banho de loja” reclassificando melhor os conteúdos e produtos, criando “nomes” e “sinônimos” adequados ao modelo mental do usuário e oferendo recursos que são facilmente adicionados ou configurados nas plataformas digitais. É o que chamamos de taxonomia navegacional.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.