Acesso rápido

Três mitos desvendados sobre plataformas de e-commerce

por Rafaela Siqueira Sexta-feira, 08 de março de 2019   Tempo de leitura: 6 minutos

Quando se é iniciante no universo do e-commerce, é comum encontrar certas “armadilhas” pelo caminho. Isso acontece principalmente na hora de escolher uma plataforma para operar a loja virtual.

Em quase dois anos convivendo com varejistas online, pessoas interessadas em abrir um negócio pela internet e todo um ecossistema de uma grande plataforma de comércio eletrônico, notei certos erros recorrentes que podem atrasar o crescimento da loja.

Você pode não ter muita familiaridade com o meio digital e alguns fatores muito importantes podem passar despercebidos de primeira. Se você está em um momento de tirar os planos de papel e começar a vender online, trago para você algumas dicas para ajudar você a tomar a decisão certa. Boa leitura!

1. A melhor plataforma de e-commerce não existe

Esse questionamento é um dos campeões de grupos e fóruns de e-commerce. Isso é bem compreensível, afinal, o varejista online não está isento de vivenciar a prova social.

E o que é prova social?

Se você ainda não sabe o que é prova social, faça uma anotação por aí. Esse é um termo importante, que pode ajudar suas vendas futuras e o desempenho orgânico da sua empresa.

Resumidamente, é uma técnica de persuasão baseada na força da experiência de outras pessoas na sua tomada de decisão. Ou seja, quando vemos muita gente falando bem de algo, a tendência é acreditarmos na maioria. Para você ter uma ideia do quanto isso é importante, 71% dos consumidores consideram úteis as avaliações de outros usuários.

Entretanto, cada lojista tem experiências e opiniões diversas sobre diferentes sistemas. Além disso, o nicho do negócio também faz alguma diferença na hora de escolher a melhor plataforma de e-commerce.

Um varejista que trabalha com delivery precisa de recursos diferentes de outro que vende produtos personalizados por encomenda, por exemplo – essa é uma questão de disponibilidade de integrações com a plataforma escolhida.

Quais fatores influenciam a escolha da melhor plataforma de loja virtual?

Achou que apenas o nicho tem influência na sua decisão? Existem ainda vários outros fatores, como:

  • Seu orçamento disponível;
  • O momento do seu negócio (está começando, está em fase de testes?);
  • O tamanho do estoque;
  • Sua projeção de crescimento para os próximos meses;
  • A quantidade e diversidade de integrações disponíveis;
  • A existência de uma loja física para integrar estoques;
  • A possibilidade de contratar ou não programadores e desenvolvedores.

Cada um dos fatores acima – acredite, existem outros – estão relacionados à maneira como diversas plataformas funcionam, assim como os recursos que elas oferecem. Então, ao mesmo tempo em que você pesquisa opiniões, tenha em mente um projeto mínimo para o seu site.

E mais: faça testes gratuitos em todas as plataformas que despertarem a sua atenção! Cadastre produtos, acione o suporte, experimente layouts, integre uma transportadora, enfim, aproveite o período gratuito para descobrir todo o funcionamento e se a estrutura realmente é agradável e fácil de usar.

2. Uma plataforma não é o bastante para vender online

Não basta escolher um sistema de e-commerce, colocar os produtos e programar um ótimo layout. Isso não é o suficiente para chamar clientes. Quando a plataforma foi decidida, a loja criada e tudo está funcionando, começa o grande desafio: atrair usuários para se tornarem clientes!

Pode ser que as vendas não surjam de primeira, afinal, você precisa tornar a loja conhecida. Uma boa ajuda podem ser os marketplaces e o Instagram. Quando falamos de marketplace, eles podem ser uma forma de aumentar o giro dos produtos e até mesmo de trazer novos consumidores, mas é preciso cuidado e planejamento nesse canal. Já o Instagram pode ser útil para captar contatos para sua base de relacionamento.

De maneira geral, acreditar que apenas montar a loja faz com que as vendas surjam é um grande engano. Sem campanhas, ações de marketing e investimentos em ser multicanal, os resultados não virão.

E não se engane: nem sempre uma atuação multicanal significa gastar muito dinheiro. Você sempre pode investir em sistemas digitais e gratuitos onde o seu cliente ideal estará. O mais básico de todos é o WhatsApp.

3. Não é possível escolher uma plataforma e ter custo zero

O crescimento do e-commerce faz com esse mercado seja muito atrativo. Em 2018, o setor teve um resultado 12% acima do mesmo período no ano anterior, com projeção de continuar em expansão nos próximos anos, segundo o Google.

Entretanto, quem chega ao comércio eletrônico acreditando que é possível ter um negócio digital com zero investimento pode ter uma quebra de expectativas. É claro que existem plataformas de e-commerce com planos gratuitos, porém, para que tudo funcione como o esperado, é preciso contar com sistemas de logística, automatização de pagamentos, marketing digital, meios de pagamento, entre outros.

Por serem recursos complexos, nem todos eles oferecem planos gratuitos e ainda assim são essenciais ao desempenho de uma loja. Diante disso, mais uma vez a definição de um planejamento nos moldes de um MVP se torna algo fundamental!

Escolher uma plataforma para operar uma loja virtual é uma tarefa que deve ser feita com certo cuidado. Por mais que ela seja uma pequena parte do sucesso das suas vendas – isso porque você precisa trabalhar muito para fazer uma loja vender, a decisão certa previne desgastes futuros como uma migração.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.