Setor da saúde é líder de vendas no e-commerce, mas não deve ser banalizado!

por Rodrigo Alberto Correia da Silva Quinta-feira, 14 de maio de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

Comprar pela internet já é um hábito comum para as pessoas e é o que mais tem crescido entre os consumidores de plantão, inclusive no Brasil. Só no país, o faturamento do comércio eletrônico já ultrapassou a marca de R$ 53 bilhões no último ano, segundo o Webshoppers, relatório com informações sobre o e-commerce no Brasil elaborado pela Ebit, empresa de certificação de lojas virtuais.

Uma grande novidade desse mercado é que o setor da saúde é o que lidera as vendas em compras virtuais. Ainda de acordo com o mesmo estudo, em 2019 os pedidos online de medicamentos, insumos médicos, perfumaria e cosméticos expandiram 112% se comparado ao ano de 2018, um número que representa 35% do faturamento no país.

Mas, esse aumento tem uma explicação — as pessoas estão muito mais engajadas e diariamente conectadas em busca de serviços eficientes, sem a necessidade de sair de casa. Outro fator está relacionado a facilidade de encontrar na internet valores abaixo do que são comercializados em lojas físicas, atraindo cada vez mais os usuários.

Além disso, o crescimento do consumo online por itens médicos também se deve a precariedade de cobertura do varejo offline e o aumento da população idosa no Brasil que também representa uma parcela considerável ao acesso à internet, especialmente via celular. Para se ter uma ideia, o levantamento sobre Macrotendências Mundiais da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), afirma que até 2030 o mundo terá cerca de 836 milhões de idosos, sendo que atualmente são 608 milhões. Esse número irá representar 11,4% da população no Brasil que agora é de 7,8%.

É possível perceber que com o aumento da faixa etária da população com mais de 65 anos, uma nova demanda foi criada para o setor farmacêutico e itens médicos. Diversos produtos estão sendo lançados e boa parte deles podem ser disponibilizados na internet, facilitando a acessibilidade das pessoas à qualidade de vida que o segmento oferece.

Todavia, mesmo com alta demanda, não dá para descartar o fato de que os usuários buscam, acima de tudo, segurança na transação, qualidade de vida e autonomia para cuidar bem de sua condição de saúde e manter uma vida agradável e produtiva. E, quando se trata do autocuidado, toda atenção é essencial em na experiência do consumidor, no momento da venda e da entrega das compras, afinal é válido lembrar que são produtos essenciais para as pessoas que estão enfrentando um momento frágil.

Por fim, acredito que as soluções tecnológicas voltadas para a saúde, não devem ser generalistas, pois precisam atuar com o foco, responsabilidade e acolhimento que o setor demanda. Além de comodidade e economia, o paciente ou familiar também busca, entre outros critérios, informações sobre o item que pretende adquirir e assuntos relacionados a ele. Lidar com o bem-estar das pessoas exige atenção e oferecer um serviço direcionado e personalizado é ter um diferencial. Já pensou nisso?

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.