Acesso rápido

Qual a diferença entre marketing direto, big data e database marketing?

por Freddy Thorvaldsen Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

A atenção decorre principalmente da atenção dada à análise de dados. O database marketing enfatiza o uso de técnicas estatísticas para desenvolver modelos de comportamento do cliente, que são usados ​​para selecioná-los para as comunicações.

Os primórdios

O marketing de banco de dados surgiu na década de 1980 como uma nova e melhorada forma de marketing direto. Durante o período, a tradicional “corretagem de lista” estava sob pressão para se modernizar, porque estava “offline”.

Ao mesmo tempo, com as novas tecnologias que permitem que as respostas dos clientes sejam registradas em tempo real, o marketing direto estava em ascensão, com o objetivo de abrir uma comunicação bidirecional, ou diálogo com os clientes.

Robert D. “Bob” e Kate Kestnbaum foram pioneiros do novo marketing direto, com o desenvolvimento de novas métricas, incluindo o valor da vida útil do cliente (CLV ou Customer lifetime value), e aplicando a modelagem financeira e econometria às estratégias de marketing.

Quem pode criar um banco de dados de clientes?

Organizações de qualquer tamanho podem empregar o database marketing, amostragens específicas oferecem maiores oportunidades de encontrar segmentos de clientes ou clientes potenciais que possam ser “atingidos” de forma personalizada (customização no marketing).

É a era da heterogeneidade do marketing! Diversas ferramentas hoje estão disponíveis para auxiliar qualquer empreendedor a montar uma base de dados valiosíssima para o futuro de seus negócios.

Devo comprar uma lista de contatos online?

Esqueça as listas disponíveis online que prometem milagres. Aplicativos de automação de marketing multicanal podem ser facilmente (e gratuitamente) encontrados hoje com uma simples pesquisa do Google e lhe entregar qualidade sobre quantidade.

Uma lista comprada só vai deixá-lo frustrado e levá-lo à retirada de um investimento valioso para o seu negócio.

Pesquisa da Safetymails mostra que para o e-mail marketing em particular, a participação de e-mails inválidos pelos principais provedores revela um certo “apego” dos gestores às bases de e-mails antigas.

Provedores de e-mail como Globo.com, Oi e IG possuem taxa de rejeição acima dos 80%, e no caso do SMS marketing os números devem ser tão preocupantes quanto no quesito atualização decorrente da migração de operadoras.

Aplicativos multicanais (ou cross-channel) como Mailchimp, Mailify, E-goi, e etc. oferecem ferramentas para criar seus formulários de cadastramento de contatos e até mesmo de automação de envios de e-mail marketing ou SMS para “gatilhos” específicos em sua base de dados.

Higienização de e-mails também é possível com aplicativos como o Neverbouce que segue o mesmo modelo da Safetymails, o que é importantíssimo já que o Hotmail , Yahoo e Gmail juntos correspondem a mais de 60% dos e-mails existentes no Brasil e um erro de digitação e qualquer um deles é muito fácil de ocorrer (daí a importância do duplo opt-in).

Leis e regulamentos

À medida que o marketing cresceu, ele passou por um exame minucioso dos defensores da privacidade e reguladores governamentais.

Por exemplo, a Comissão Européia estabeleceu um conjunto de regras de proteção de dados que determinam quais os usos podem ser feitos dos dados do cliente e como os consumidores podem influenciar os dados que são mantidos.

Nos Estados Unidos, existe uma variedade de leis estaduais e federais, incluindo o Fair Credit Reporting Act, ou FCRA (que regula a coleta e uso de dados de crédito).

No Brasil, associações e representantes dos provedores, do setor de marketing, das empresas anunciantes e dos consumidores com a anuência do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), anunciam a publicação da versão oficial do Código de Autorregulamentação para a prática de E-Mail Marketing (CAPEM).

Trata-se de uma iniciativa que visa à criação de normas técnicas e mecanismos para promover o bom uso do e-mail marketing, com a finalidade de incentivar o profissionalismo e a eficácia no uso da ferramenta.

E o tal do Big Data?

Em tecnologia da informação, o termo Big Data refere-se a um grande conjunto de dados armazenados. Baseia em 5 V’s: velocidade, volume, variedade, veracidade e valor.

“Big Data” é uma dessas mega tendências de marketing que continua a ganhar atenção, juntamente com o crescente número de usuários de internet e empresas tentando converter essa informação em lucros para seus clientes.

No caso do Big Data, muitas empresas B2B investem tempo e esforço significativos para coletar enormes quantidades de dados de sites para melhorar suas capacidades de tomada de decisão.

É um empreendimento incrivelmente complexo que só está ficando cada vez mais difícil de gerenciar à medida que a velocidade do negócio continua a acelerar e a quantidade de dados (daí o “Big” no Big Data).

De acordo com a pesquisa da McKinsey, as empresas que fazem uso extensivo da análise de clientes vêem uma melhoria de lucro de 126% em relação aos seus concorrentes.

Com o auxílio dessa tendência, a qual possibilita analisar comportamentos de clientes e tendo seus dados bem estruturados fica muito fácil decidir o rumo que as comunicações de um negócio deve tomar.

Qual é o meu próximo passo, então?

A má notícia é que a coleta de dados é complicada no caso de grandes empresas e precisa de um refinamento constante. Para pequenos negócios e empreendedores o volume pode ser gerido com mais facilidade já que não está trabalhando com o “Big” (somente o “Data”), se ela for bem administrada.

A boa notícia é que seus concorrentes provavelmente não estão fazendo um bom trabalho e estão ficando fracos em seus esforços.

Encontrar as ferramentas de marketing certas ou uma consultoria de marketing para organizar a sua coleta de dados e dar sentido a isso deve ser sua primeira etapa.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.