Principais tendências para o ano em social media

por Augusto Custodio Quarta-feira, 11 de janeiro de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

O mercado de marketing digital está em expansão no mundo todo e tende a crescer em 2017. Há algumas redes sociais que já apontam o caminho a seguir. Vou listar algumas dicas do que podemos esperar para este ano. Em 2016 vimos a realidade aumentada ganhar visibilidade com o game Pokémon Go, essa estratégia deve ser mais explorada pelas marcas daqui para frente.

Os aplicativos de mensagem são a próxima grande fronteira de interação entre consumidores e marcas com a chegada dos chatbots. Além do WhatsApp, que tem se consolidado como principal plataforma de atendimento para o SAC 2.0, os chatbots (softwares de respostas automáticas), criam conversas -chats-, gerenciando perguntas e respostas durante uma interação com pessoas reais.

Será forte também a presença de influenciadores e a produção de conteúdo autoral das marcas favorecerá a autonomia das mesmas em seus canais digitais. Esse será o ponto alto para o conteúdo. Chegou a hora da consolidação.

Confira abaixo as mudanças previstas para 2017 e prepare-se!

YouTube

Em 2017 o vídeo continua crescendo e gerando amplas oportunidades de conversão. Uma estratégia muito usada nesse canal é a que faz uso de influenciadores. Na França, o Youtube e a L’Oreal lançaram a BeautyTube, uma nova escola on-line de vlogging de beleza onde formadores de opinião e promotores de beleza ou moda ajudarão as marcas a aproveitar ao máximo a sua presença em outras redes sociais em que atuam.

Os primeiros irão focar suas ações em redes de profissionais mais direcionados (Twitter por exemplo).  Já os segundos, levarão os espectadores dos vídeos para o Instagram ou Pinterest, transformando imagens em compras.

Facebook

O Facebook continua sendo a plataforma social mais popular. No Brasil, essa tendência segue. Haverá melhorias para soluções de compras on-line na sua plataforma original e no Messenger. Além disso, há testes sendo feitos para um recurso que permite as empresas criarem páginas para marcar os seus produtos. Quando clicar em um produto tagueado, o usuário cairá em uma página dedicada e ele como se fosse uma landing page.

Twitter

Essa rede deve apostar no casamento com a TV, o que pode ser conhecido como o Social TV, com novas maneiras para assistir a conteúdos ao vivo. Em setembro deste ano, durante o jogo de futebol americano Bills X Jets, ocorreu a primeira vez em que o futebol ao vivo foi transmitido ao lado de um feed live de tweets onde os espectadores tiveram a experiência completa de conteúdo e conversa na mesma tela.

Instagram

Essa rede deve anunciar em breve a possibilidade de inserir links em postagens. Até então, somente o famoso “link na bio” é usado. Com isso, a união do poder visual com uma chamada para ações de compra será a combinação ideal.

Pinterest

O social commerce deve crescer bastante em 2017 e o Pinterest vai bombar! Uma pesquisa da Kantar Millward Brown relatou que 96% dos visitantes da rede social de compartilhamento de fotos usam o site para planejar uma compra, e 87% realmente fizeram uma compra depois de ver algo que apreciaram.

O Pinterest agora é um “catálogo de ideias”, em vez de uma rede social. Em abril, eles mudaram a denominação do seu app de “Rede Social” para “Notícias” na Apple Store. Este ano, a rede lançou muitos recursos para acomodar cada estágio do ciclo de compras do cliente.

A capacidade do Pinterest de gerar vendas é um importante diferencial da plataforma. Em 2017 ele deve se tornar a nova plataforma do comércio social.

LinkedIn

Linkedin foi adquirido pela Microsoft, combinando conglomerados já existentes. Ele lançou recentemente um aplicativo iOS independente chamado “Record” que permite o usuário usar clipes de vídeo de 30 segundos para responder a tópicos direcionados e estabelecidos pela equipe editorial do LinkedIn ou iniciar o seu próprio tópico. No momento, esse recurso está disponível apenas para 500 influenciadores da rede, mas pode ser ampliado em breve.

Snapchat

Vai ser mais que uma simples rede social. Eles estão reposicionando a marca como fabricante de câmeras e inovando para além do seu app principal. Vai apostar na diversificação para crescer, assim como o Facebook.

O desafio da pesquisa orgânica

A forma com que se faz anúncios hoje no Google deve mudar muito em breve com o crescimento de buscas através da fala e não mais digitando no campo de search. Perguntas em voz dobraram de 2014 a 2015, como “tradicionais” pesquisas na Web. Será um desafio para os mecanismos de busca.

Os anúncios simplesmente se tornariam mais contextuais e úteis para o usuário. Então, se você procurar um restaurante, por exemplo, o seu assistente de pesquisa poderia lhe oferecer um resultado “natural” além de uma sugestão “patrocinada”, algo focado mais em uma ação como “quero comer sushi”, ao invés de “restaurante japonês”.

Conteúdo

Os fluxos de informações estão mudando. Antes era mais simples, com as marcas publicando em canais como sites e blogs e disseminando em redes sociais. Isso ainda é feito com certo peso e relevância, mas existem vários canais, cada um deles requer conteúdos específicos e uma abordagem individual.

Facebook Instant Articles e Linkedin Pulse são apenas alguns exemplos de como as mídias sociais se tornaram editora em si mesmas. Outra forte tendência é trabalhar com aplicativos de notícias dedicados, como New York Times VR, esses novos canais remodelam completamente a forma de se comunicar e criar conteúdos, levando imersão e boas experiências.

Para concluir, o convite é para reestruturar a sua marca com confiança e influência, além de alimentá-la organicamente com os elogios dos seus clientes. O desafio das marcas está na criação da “empatia eletrônica” para conectar seres humanos de um modo mais profundo, mais intenso.

Pensando nessas reflexões, aproveito para convidá-lo para participar, no dia 25 de Janeiro no Rio, do Digital Insights – um evento sobre as mais importantes tendências, estratégias e ferramentas de marketing digital  a partir de projeções do Google, Facebook e Instagram. Caso tenha interesse, basta se inscrever para a lista de espera aqui.

Boas vendas em 2017!

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Leads Qualificados: Dialhost Recrutamento & Seleção: Dialhost People Marketing: Dialhost

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.