Por que as transações de criptomoedas são mais seguras para o varejo?

por Cássio J. Krupinsk Quarta-feira, 11 de agosto de 2021   Tempo de leitura: 3 minutos

No comércio físico ou no digital, o objetivo final do varejo é garantir transações para seus produtos ou pedidos. Trata-se de uma necessidade estratégica: quanto mais vendas um negócio efetua, maior a tendência de rentabilidade — o que resulta em novos investimentos e mais crescimento. Mas esse procedimento também representa um grande perigo para os varejistas graças às compras fraudulentas ou aos vazamentos de informações bancárias de seus clientes. Nos dois casos, o prejuízo vai além da questão financeira e impacta também a imagem da marca. Curiosamente, a solução para esse problema vem de onde muitos não esperavam: das criptomoedas.

É preciso voltar um pouco no tempo para compreender essa mudança de papel do universo cripto. Em 2008, quando o bitcoin (primeira criptomoeda do mundo) surgiu, muitos associaram a novidade aos hackers e até a atividades criminosas. Com o passar dos anos, ficou evidente que essa visão não correspondia à realidade. As moedas digitais como um todo tornaram-se ferramentas importantes para negócios do mundo inteiro, a ponto de grandes players se interessarem por esse recurso em suas operações. Não à toa, um levantamento da Mastercard em todo o mundo indica que quatro em cada dez consumidores querem pagar suas compras com criptomoedas.

Criptomoedas = maior segurança ao e-commerce

Mas o que explica a metamorfose dessa solução de pagamento no varejo, posicionando-se como a alternativa mais segura para as transações? A explicação é bem simples e passa pela maior compreensão da tecnologia blockchain. Como o próprio nome sugere, são correntes de blocos que carregam determinada informação (financeira ou não) em pequenos grupos pela web — e cada uma delas está protegida por criptografia. Essa característica faz ser praticamente impossível o hack de dados, além de permitir que as transações sejam liquidadas diretamente na tecnologia em minutos. No caso de bancos e provedores de pagamentos, o processo pode durar até dias.

Por conta disso, essa transação tem uma característica diferente que traz mais proteção aos dados do consumidor. No modelo mais tradicional, a pessoa deve “autorizar” o pagamento por meio de senhas e/ou repasse de informações bancárias importantes, como número de conta, de cartão de crédito e demais dados pessoais. Uma falha de segurança ou um descuido nessa etapa pode acarretar o vazamento de informações confidenciais. No caso das criptomoedas, não há autorização: o comprador precisa apenas “enviar” o pagamento pela corrente de blocos, sem transmitir qualquer tipo de dado sensível.

Criptomoedas e o chargeback

Além disso, por serem liquidadas diretamente no blockchain em minutos, as transações criptográficas resolvem outro grande problema relacionado aos varejistas, principalmente os que atuam no e-commerce: o chargeback. Trata-se de uma situação recorrente em que a operadora do cartão recusa o pagamento do pedido após já ter enviado para o comprador com a alegação de fraude. Dessa forma, a empresa perde duas vezes ao vender seu produto e não receber o valor em troca. No caso das criptomoedas, esse risco não existe porque não há como fraudar a informação financeira carregada pelos blocos.

Em um cenário de transformação digital, as criptomoedas representam a próxima fronteira entre os meios de pagamentos. São seguros, eficientes e altamente práticos tanto para quem compra quanto para quem vende. Dessa forma, não se trata mais de adotar ou não esse recurso no negócio, mas sim quando. Quem se antecipar a essa realidade e implantar soluções de pagamentos em criptomoedas estará um passo à frente de seus concorrentes e pronto para encarar os desafios que surgirão pelo caminho.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER