Perspectivas para o e-commerce em 2013 no Brasil

por Gabriel Lima Sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Falar que 2012 foi o ano do e-commerce no Brasil é cair no lugar comum, por isso acredito que 2012 foi o ano da consolidação do e-commerce como um canal estratégico e relevante do varejo. O crescimento das vendas online é notável e irreversível, e tende a se manter não só em 2013 como nos próximos anos também.

O que é interessante notar foi a evolução do e-commerce em 2012 em duas grandes frentes: A primeira delas foi a profissionalização do setor, cada vez mais profissionais mais capacitados estão atuando nesse mercado, que chama a atenção de empresas e investidores cada vez maiores. O outro ponto, claramente decorrente do anterior, é a melhora tecnológica e operacional tanto dos fornecedores quanto dos varejistas que estão entendendo cada vez mais do negócio e do mercado brasileiro de vendas online. Finalmente esta situação gera um conflito interessante que abre as oportunidades e perspectivas para esse mercado no próximo ano: dado que montar um negócio de e-commerce esta cada vez mais barato, rápido e melhor, o aumento da competitividade faz com que a lucratividade dos varejos virtuais seja menor, o que corrobora isso é que a rapidez com que novos varejistas entram no e-commerce é maior que o crescimento dos consumidores, ou seja, há cada vez mais empresas brigando pelos mesmos consumidores online.

O aumento da competividade faz com que as perspectivas para 2013 caminhem em duas direções. A primeira delas é relacionada aos novos entrantes, fazendo com que os varejistas que pretendam vender online em 2013 necessitem de um planejamento estratégico mais apurado e competente para atacar de forma certa um mercado em fase de maturação. A segunda esta relacionada as empresas que já atuam no setor e aos fornecedores. A tendência de maior profissionalização do mercado deve continuar, deverá haver aumento da flexibilidade tecnológica das plataformas, surgimento e consolidação de empresas fornecedores especializados, e investimentos em web analytics como diferencial competitivo.

Do ponto de vista da profissionalização do mercado, em 2013 deveremos ver uma grande demanda por capacitação profissional, cursos de formação de profissionais de e-commerce devem crescer e aulas especializadas principalmente do ponto de vista de back-end, como capacitações operacionais devem ter mais espaço dentro destes cursos. A contratação de consultorias para melhorar o desempenho das empresas e transmitir conhecimento também deve aumentar para auxiliar essas empresas a se destacarem de forma estratégica no mercado cada vez mais dinâmico.

Outro ponto é que devido a maturação do mercado e ao incremento da competitividade, as mudanças de layout e usabilidade dos sites devem ser cada vez mais freqüentes para aumentar a conversão e reduzir os custos de marketing e comunicação, sendo assim, as plataformas devem permitir cada vez mais aos seus clientes autonomia na gestão tecnológica da primeira camada do site.

Também vejo com tendência para 2013, como decorrência dos pontos anteriores o surgimento e consolidação de empresas especializadas como empresas de fotografia, cadastro e descrição de produtos, empresas focadas em desenvolvimento de primeira camada das plataformas para auxiliar os varejistas na busca por melhores resultados e aumento da conversão, e mesmo empresas voltadas para atuar em determinados processos que possam ser terceirizados da operação do varejo virtual.

Alem disso, vejo que a alternativa mais interessante para as empresas que já atuam com Comércio Eletrônico poderem se destacar em 2013 é o aumento da inteligência de marketing com maiores investimentos em Web Analytics como diferencial competitivo para seus negócios. Estas empresas de Web Analytics devem dar o tom dos investimentos em comunicação mais adequado, principalmente voltados para programas de afiliados, Email Marketing e trabalho de CRM nas empresas para crescimento da re-compra por parte dos clientes atuais.

Finalmente, vejo que as perspectivas para o ano de 2013 trarão grandes oportunidades e desafios para o Comércio Virtual brasileiro, que deve crescer ainda mais forte e maduro. Os varejistas deverão lutar para conseguir crescer e aumentar sua rentabilidade e os prestadores de serviços deverão estar alinhados com essa realidade e trabalhar cada vez mais duro para o sucesso de seus clientes no mundo virtual.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

2 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Nossa empresa que atua no ramo de automação comercial (www.automastore.com.br) viu a oportunidade de criar um site para vender os produtos online. Notamos que há poucas empresas vendendo esse tipo de produtos online e estamos com boas perspectivas para 2013.

    Responder
  2. Parabéns por essa leitura do nosso mercado.
    Você só esqueceu de comentar o grande gargalo do e-commerce que atormenta os pequenos e medios varejistas, que é Correios. Infelizmente vejo esses comerciantes refens de uma estatal que luta para manter seu monopólio e conta com politicos corruptos que usam a empresa para arrecadar fundos para campanhas politicas.
    O mais incrivel são as entidades que representam o e-commerce não fazerem nada nem levantam a discução em forums e encontros do setor, pelo contrario, convidam o presidente dos correios pra fazer bonito nos eventos. Esse cara não conhece a realidade, nem das agências dos correios, muito menos a realidade de um varejista de e-commerce.
    Não quero me estender nesse comentário, mas essa é uma preocupação que todos do e-commerce deveriam estar de olho.

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.