Pandemia de coronavírus: é a hora de investir sua energia no e-commerce

por Josele Delazeri de Oliveira Segunda-feira, 20 de abril de 2020   Tempo de leitura: 5 minutos

O coronavírus está transformando os hábitos de consumo. Pessoas que nunca haviam feito uma compra online agora estão acessando e comprando de lojas virtuais. A perspectiva era de que o e-commerce duplicasse seu crescimento em 5 anos mas, diante da quarentena, a previsão deste aumento é de 12 meses.

Empresas que pensavam ainda não ser necessário vender online despertaram para uma nova realidade. Diante disso, temos algumas dicas para quem deseja finalmente iniciar seu e-commerce. Estamos há 11 anos no mercado, com nosso conhecimento e experiência, desenvolvemos uma metodologia para auxiliar os empreendedores na atuação no mercado digital.

A metodologia que verá a seguir é o BOPI (Base do Negócio, Oferta, Público e Marketing e Impulsão).

Passo 1: base do negócio

Para vender online é importante que sua empresa esteja constituída legalmente, tenha um CNPJ. A logo é essencial também, e deve representar a identidade do seu produto. Além disso, você precisa ter um domínio, seu endereço na web. O domínio pode ser registrado no RegistroBr. Aconselho ter o registro .com.br e o registro .com.

É muito importante a integração com um ERP (sistema de gestão) para a emissão da nota fiscal, e auxílio no controle financeiro, controle de estoque e controle de vendas. Outro aspecto é a definição dos meios de envio que, inicialmente, pode ser realizado pelos Correios. Nesse quesito, é importante que a plataforma faça o cálculo automático do frete.

Nesta etapa também devem ser definidos os meios de pagamento. O ideal é ter um gateway de pagamento. Ele contribui com a segurança e melhor experiência de compra para o seu cliente, que pode optar pelo pagamento via boleto ou cartão de todas as bandeiras. Também é importante vincular as redes sociais com a sua página: Instagram, Facebook e WhatsApp, por exemplo. Ter um chat disponível é outro diferencial.

Assim, você deve escolher uma plataforma que atenda os aspectos citados acima para a melhor experiência do seu cliente. Isso levará o cliente a comprar de você, assim como fidelizá-lo à sua loja.

Passo 2: a oferta

Aqui vem a pergunta: o que você vai vender? Mesmo que você venda mais de um produto, é importante ter definido aquele que é o produto principal, que soluciona a dor do seu cliente — o produto estrela.

Tenha bem claro se o seu produto é adquirido por impulso ou por necessidade, pois esta definição irá impactar diretamente a sua comunicação com o público alvo.

O modo como o produto é cadastrado fará toda a diferença — e neste caso o SEO é rei! O que é SEO? SEO significa Search Engine Optimization (otimização para mecanismos de busca). É um conjunto de técnicas de otimização para sites, blogs e páginas na web. Essas otimizações visam alcançar bons rankings orgânicos, gerando tráfego e autoridade para um site ou blog.

Passo 3: público

Para quem você irá vender? Quem são suas personas? Público-alvo e persona não têm o mesmo significado. A principal diferença entre os dois é que o público-alvo apresenta informações de forma bem mais ampla e geral, enquanto a persona consiste em detalhes mais específicos, formando assim seu cliente ideal.

Para excelentes resultados no passo seguinte, que é a impulsão, você precisa conhecer muito bem o seu público: o que ele pensa, sente, ouve, vê, fala e faz, dores e ganhos. (mapa da empatia)

Este conhecimento é bem importante para realizar as campanhas de marketing e segmentar o público na impulsão — campanhas pagas.

Passo 4: impulsão

Neste passo estão: Facebook Ads, Google, Instagram, e-mail marketing, recuperação de carrinho abandonado, venda em marketplaces, entre outros.

Quem já tem um e-commerce deve focar nos passos 2, 3 e 4 para vender cada vez mais. Seguindo esta metodologia, estamos falando de um processo de aquisição de clientes: previsível, escalável e lucrativo.

Quando trazemos o conceito onffline, o offline gera receita e o online gera lucro (+ de 70% das compras nas lojas físicas começam na internet). Diante da realidade que a quarentena nos impôs, com restrições para vendas nas lojas físicas, o online é a melhor opção.

Seu e-commerce pode salvar a sua loja física. Trabalhe muito a sua presença digital também no Google, nas redes sociais… Esteja onde o seu cliente lhe procurar. Quando tudo voltar à normalidade, que não será tão normal assim, pois os hábitos de consumo terão se transformado, você conseguirá se destacar cada vez mais no mercado que atua.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.