Acesso rápido

O consumidor já é omnichannel. E a sua empresa?

por Gustavo Chapchap Segunda-feira, 30 de julho de 2018   Tempo de leitura: 10 minutos

A evolução da tecnologia e a mudança de hábito dos consumidores criaram uma nova ordem no consumo.

As pessoas funcionam no automático. Têm ações que parecem naturais, mas são influenciadas por uma série de fatores. Entender o consumidor passou a ser preponderante para sobreviver no varejo. Porém, a compreensão sobre o comportamento do consumidor no século XXI é cada vez mais complexa. Isso graças à crescente evolução das tecnologias de comunicação.

De maneira geral, nossas compras são guiadas por variados estímulos, com novos fatores de influência surgindo a todo o momento. E essa jornada precisa ser devidamente mapeada se quisermos garantir o desenho de uma estratégia de marketing eficiente.

Uma boa diretriz, nesse sentido, é associar a complexidade dos processos à praticidade esperada na experiência de compra. Para isso, existem dois caminhos: brigar no preço ou entregar diferenciais.

Ao entrar na briga feroz por preço, a tendência é enfrentar os grandes varejistas com poder de investimento em marketing e com condições para praticar preços agressivos.

Nesse caso, para ser bem-sucedido, será necessário aplicar muitos recursos para manter-se competitivo e atingir rapidamente grandes volumes de vendas.

A entrega dos diferenciais passa por perceber que, em um mundo cada vez mais disperso, com mais opções, o custo de aquisição do cliente (CAC) é muito alto. Para diluí-lo é necessário criar um relacionamento com o consumidor de maneira que ele recompre e recomende seu produto ou serviço.

Para isso, é necessário que ele tenha uma boa experiência. Fique atento: se ela for adequada, inclusive o fator preço passa a ser secundário na decisão de compra. É que nesse caso entra em cena a escala de valor.

Como valorizar a experiência de compra do cliente?

Quando se analisam as possibilidades do varejo para melhorar a experiência do cliente, é importante considerar a necessidade da marca estar presente em vários canais.

O consumidor hoje tem menos tempo disponível, mais opções e está mais bem informado. Na prática, isso significa que as lojas precisam se adequar à essa nova realidade. Quem não perceber a mudança está prestes, mais cedo ou mais tarde, a fechar as portas.

Qualquer empresa que venda um produto ou serviço precisa de um canal de venda digital. A justificativa é simples: para aumentar as chances de fechar negócio, o varejista precisa estar no lugar certo, na hora certa, do jeito certo, abordando a pessoa certa e facilitando sua vida por meio de variados canais de comunicação e de entrega da oferta.

Por isso, dizemos que esse novo consumidor é omnichannel

Omnichannel vem do latim “omni”, que significa tudo, e do inglês “channel”, que pode ser traduzido como canal. Assim, pode ser interpretado como “todos os canais” — no sentido de estarem integrados.

Para entender melhor esse conceito, lembre-se de que omni é o mesmo prefixo que compõe a palavra “onipresente”. Significa, dessa forma,“presente em todos os lugares simultaneamente”. Ou seja, ser omnichannel é estar em todos os canais ao mesmo tempo.

Assim, não importa onde o cliente está: se ele estiver disposto a comprar e se você for um varejista omnichannel, você o encontrará e terá, portanto, mais chances de tentar conquistá-lo.

Mas não se iluda. Para que essa estratégia seja bem-sucedida, é preciso entender os comportamentos de compra do seu público-alvo. Além disso, é preciso levar em consideração as tecnologias adequadas para guiar a jornada do cliente a favor da sua empresa.

Em uma jornada de compra omnichannel, não há diferença de objetivos entre as lojas virtual e física, ou canais de comunicação. Todos os pontos de contato se complementam para proporcionar uma melhor experiência ao consumidor.

Isso porque boa parte das decisões de compra é tomada por impulso. No passado, essas atitudes estavam restritas à presença material nas vitrines do shopping, por exemplo. Mas hoje são viabilizadas também por dispositivos como os smartphones, sem que o consumidor precise sair de casa. Assim, a compra não tem hora certa para acontecer.

Vamos entender melhor quais fatores orientam o comportamento desse consumidor:

Ele está conectado o tempo todo

Na pesquisa Google Marketing Next, realizada em 2017, o Google constatou que 50% dos usuários de internet do mundo estão conectados a 3 ou mais dispositivos diferentes. Além disso, 91% dos usuários de smartphones compraram um produto após verem um anúncio relevante por meio do aparelho.

O mesmo estudo revela que 50% dos usuários de internet buscaram por vídeos de produtos e serviços antes de acessar uma loja. 78% deles passaram mais tempo fazendo pesquisas online do que em lojas físicas.
Um consumidor informado demanda produção de conteúdo capaz de influenciar na decisão de compra. Como ele está conectado, é imprescindível estar presente na web.

Ele prefere o melhor, não necessariamente o mais barato

O preço fica secundário quando a experiência é bem avaliada. Os diferenciais podem estar em várias frentes: conveniência, qualidade do atendimento, qualidade do produto ou serviço e proximidade.

Ele vai se comunicar

Em tese é importante estar nos canais sociais, porque “todo mundo está lá”. Vale usar a mesma lógica para estabelecer os canais de comunicação com seus clientes: se você não estiver onde ele está, certamente haverá um concorrente para atendê-lo de modo mais ágil. Pense nisso: o consumidor vai se comunicar, quer você queira ou não, quer você esteja lá ou não.

Compreender toda essa dinâmica é essencial para se destacar em meio a tantos concorrentes. A capacidade de conquistar a atenção do cliente diante de tantos estímulos — e de uma expectativa elevada pelo amplo acesso à informação — é o que vai determinar o sucesso ou fracasso dos varejistas nos próximos anos.

Para finalizar, tenha em mente que a validação de uma boa estratégia omnichannel ocorre quando o consumidor completa a jornada sem perceber que passou por vários canais. E, nesse caso, não se esqueça de que a coerência entre a comunicação e a integração entre os canais são capazes de criar uma jornada fluída e natural. O consumidor relaciona-se, compra e se propõe a recomendar independentemente de quais canais passou antes de concluir a compra.

 

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.