Acesso rápido

Omnichannel tem longo caminho para amadurecer no Brasil

por Rafael Ruppel Segunda-feira, 21 de agosto de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

Modelo de negócios no qual todos os canais de venda de determinada empresa são totalmente integrados e em que a experiência do consumidor é a mesma, independentemente, da plataforma utilizada.

omnichannel é a tendência da vez quando se discute o futuro do varejo ao redor do mundo. Ainda assim, ele caminha devagar no Brasil. Há algumas razões para isso.

De maneira geral, é preciso um investimento alto em tecnologia para municiar os pontos de venda com o suporte necessário para essa integração – com a distribuição de devices para a equipe de vendas, por exemplo.

Também é necessário repensar os sistemas e a infraestrutura de atendimento das empresas. O ideal seria coincidir as informações de atendimento das redes sociais com as do site, assim como realizar qualquer operação na plataforma. O mesmo vale para uma loja física da rede ou para o call center.

E mesmo empresas que têm investido na integração tecnológica entre seus canais, às vezes deixam de lado um fator essencial: a equipe!

É imprescindível mudar a mentalidade e mostrar que e-commerce e rede física não competem. E isso precisa ser feito em um processo top-down, com direcionamento executivo, e passar a fazer parte da política da companhia também.

Recentemente, soube de um caso de uma rede varejista, a qual orientou seus vendedores a indicarem o e-commerce aos clientes para buscarem os itens em falta da loja física. O problema é: quando isso acontecia, esses profissionais não recebiam comissão.

Então, ao invés de seguirem o direcionamento da empresa, os funcionários preferiam recomendar produtos semelhantes – o que nem sempre despertava o mesmo interesse – para não perderem a comissão. Relembrando, a experiência deve ser a mesma em todos os canais!

O panorama geral, no entanto, não é negativo. Redes varejistas têm buscado se informar e melhorar seu desempenho com relação a novidades. Até a indústria aparente interesse em sistemas para atuar como vendedora direta ao consumidor.

E o investimento vale a pena: um grande player do mercado têxtil, por exemplo, conseguiu aumentar seu ticket médio em 50% depois de instituir o click and collect. O cliente comprava na internet, ia até a loja buscar e lá acabava adquirindo outros produtos.

Para exemplificar algumas das soluções utilizadas no omnichannel, fizemos uma ação no Fórum E-commerce Brasil 2017, no final de julho. Os participantes “compravam” um brinde numa plataforma de e-commerce na nuvem e, em seguida, o retiravam em nosso stand, onde eram atendidos por uma pessoa com um tablet – o que chamamos de “vendedor aumentado”, em referência à realidade aumentada.

Nessa ocasião, vemos duas características do omnichannel: o já citado click & collect, em que uma compra online é retirada em um ponto físico, e o uso da tecnologia para disponibilizar na loja tradicional a mesma profundidade de compreensão do perfil do possível comprador no e-commerce.

São novidades mais ou menos já estabelecidas em locais como Estados Unidos e Europa. Ainda são incomuns por aqui, mas que tendem a se popularizar nos próximos anos.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.