Acesso rápido

O que muda no Simples Nacional, em 2018, para o marketplace?

por Daniel Berselli Quarta-feira, 05 de abril de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

Já é de conhecimento dos negócios virtuais que haverá mudanças na sistemática do Simples Nacional, a partir de 2018.

Nesse breve texto, passo a demonstrar as principais alterações para aquelas pessoas jurídicas, optantes do Simples Nacional, que realizam a atividade de marketplace. Nesses casos, o intermediador disponibiliza uma plataforma onde produtos e serviços são oferecidos aos consumidores utilizando a internet.

Essas atividades são caracterizadas como prestação de serviços, em sua maioria a de intermediação de negócios. Para cada bem vendido ou serviço prestado o intermediador tem direito a um percentual sobre a receita auferida pelo usuário da plataforma, anteriormente acordado. Ele emite, por fim, a nota fiscal de prestação de serviços.

No Simples Nacional, até 31/12/2017, os prestadores de serviços de intermediação de negócios devem calcular o valor devido no regime simplificado através das condições previstas no Anexo VI da Lei Complementar nº 123/2006 (o Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, também conhecida como Lei Geral das MPE). Esse Anexo traz alíquotas maiores que o Anexo III, que é destinada a prestadores de serviços não compulsoriamente obrigados a utilizar os Anexos IV, V e VI  da Lei Geral.

Na primeira faixa de tributação no Anexo VI, a alíquota é de 16,93%. Em determinadas circunstâncias a opção pelo lucro presumido é até mais vantajoso que o Simples Nacional. Mas vamos focar naqueles que desenvolvem as atividades de market place e são optantes do Simples.

Com a alteração consubstanciada na Lei Complementar nº 155/2016, são alterados os Anexos e surge um novo cálculo que deve ser realizado para obtenção do valor devido no Simples Nacional. Vejamos:

1 – O teto para opção passa a ser de R$ 4.800.00,00. Esse teto, contudo, não vale para o ISS (imposto sobre serviços, devido para o município); se a sua empresa faturar entre R$ 3.600.00,00 e R4 4.800.000,00, deverá recolher o ISS “por fora” do Simples, mantendo a apuração dos demais tributos no regime simplificado. Se estiver em um Estado que adota um sublimite menor que R$ 3.600.000,00, então deverá verificar qual é o teto para manter o ISS dentro do Simples.

2 – Os serviços relacionados a “representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros”, previsto no inciso VII, parágrafo 5º-I do artigo 18 da Lei Geral passarão a ser tributados na forma do Anexo V:

Receita Bruta em 12 Meses (em R$) Alíquota Valor a Deduzir (em R$)
1a Faixa Até 180.000,00 15,50%
2a Faixa De 180.000,01 a 360.000,00 18,00% 4.500,00
3a Faixa De 360.000,01 a 720.000,00 19,50% 9.900,00
4a Faixa De 720.000,01 a 1.800.000,00 20,50% 17.100,00
5a Faixa De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 23,00% 62.100,00
6a Faixa De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 30,50% 540.000,00

Vejam que nesse novo formato o número de faixas de receita bruta cai de 20 para 6. Isso pode ocasionar alíquotas maiores para determinados prestadores de serviços, dependendo da faixa de receita bruta que se encontram; de outra sorte, a tabela dispõe valores a deduzir em função da progressão da base de cálculo. Funcionará da mesma forma como você calcula seu imposto de renda pessoa física.

3 – Ocorre que, e atentem-se e essa alteração: as atividades contempladas no parágrafo 5º-I (aqui incluídos os serviços de intermediação de negócios), poderão ser tributadas pelo Anexo III caso a razão entre a folha de salários e a receita bruta seja igual ou superior a 28%. É o que dispõe o parágrafo 5º-J.

Portanto, as atividades de marketplace optantes do Simples Nacional, que foram devidamente classificadas como serviços de intermediação de negócios em seu CNPJ, poderão migrar para um Anexo mais benéfico, cuja alíquota inicial é de 6%:

Receita Bruta em 12 Meses (em R$) Alíquota Valor a Deduzir (em R$)
1a Faixa Até 180.000,00 6,00%
2a Faixa De 180.000,01 a 360.000,00 11,20% 9.360,00
3a Faixa De 360.000,01 a 720.000,00 13,50% 17.640,00
4a Faixa De 720.000,01 a 1.800.000,00 16,00% 35.640,00
5a Faixa De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 21,00% 125.640,00
6a Faixa De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 33,00% 648.000,00

Fica claro que o fator “folha de salários” será a base de alteração para o Anexo III; sugiro, dessa forma, reavaliar as questões relativas às relações de trabalho conduzidas por prestador de serviço. Vale apenas contratar mais pessoas com as regras de CLT? Nesse caso, parece-me que sim. Quanto maior a folha de pagamento, menor será a alíquota.

4 – A formula de cálculo deixa de ser uma multiplicação simples do faturamento pela alíquota para a aplicação da seguinte fórmula:

RBT12 = Receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao período de apuração;

Aliq = Alíquota nominal constante dos Anexos I a V da LC nº 155/2016;

PD = Parcela a deduzir constante dos Anexos I a V da LC nº 155/2016.

Até 31/12/2017, ainda vale, para efeito de determinação da alíquota, a receita bruta acumulada nos 12 meses anteriores ao do período de apuração.

Isso pode, eventualmente, aumentar a relação percentual do que é devido no Simples sobre o faturamento da empresa, mas deve ser avaliado caso a caso.

Enfim, mudanças importantes ocorrerão a partir de 2018. Não parece, mas já estamos no segundo trimestre de 2017 e fica a sugestão para que os negócios virtuais relativos ao marketplace, que são dispostos como prestadores de serviços de intermediação de negócios, procedam a uma revisão de seus controles de forma a verificar a adequação de sua carga tributária sobre os efeitos dessa nova sistemática do Simples Nacional, especialmente em relação a questão  da proporcionalidade dentre receita bruta e folha de salários.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Mauro, boa tarde!
    O dispositivo contido no art. 79-E vem como uma “transição” para o optante do Simples que está próximo de estourar o limite, além de respeitar a alteração de teto prevista na LC 155.
    Se não existisse esse artigo, a sua empresa, ao faturar entre R$ 3.600.000,01 e R$ 4.800.000,00 no ano de 2017 não poderia optar pelo Simples em 2018.
    Mas fique atento: se a sua empresa faturar acima de R$ 3.600.000,01 em 2017, deverá, até o final dese ano, recolher o Simples com acréscimo de 20% na última tabela ou poderá, dependendo do estouro, ser excluída e pagar tudo no presumido.
    Mas poderá voltar em 2018 ao Simples.
    Qualquer dúvida entre em contato comigo.

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.