Acesso rápido

Preparado para a obrigatoriedade da NF-e para Simples Nacional em SP?

por Robinson Idalgo Quarta-feira, 10 de outubro de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos

A Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo anunciou em maio que, a partir de outubro de 2018, contribuintes do Simples Nacional serão obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica, a NF-e. Essa é uma mudança que impactará em média 300 mil Microempresas e Empresas de Pequeno Porte e a emissão, como explicou o Governo na Portaria CAT 36/2018, não vale para Microempreendedor Individual, o MEI.

Os documentos em papel, em mais um passo para a modernização do sistema fiscal brasileiro, saem de cena para dar lugar a um formato mais fácil para os contribuintes do regime do Simples Nacional. Nesse sentido, a obrigatoriedade da nota fiscal em formato digital surge no momento em que as empresas têm à disposição uma série de ferramentas on-line qualificadas para a emissão da NF-e de maneira integrada com as Secretarias da Fazenda.

História da NF-e

A nota fiscal eletrônica (NF-e) foi criada para modernizar a forma de emitir nota fiscal no país. Isso tudo para deixar o processo mais prático e eficaz. E isso vale tanto para as empresas que emitem e lidam com esses documentos como para a fiscalização estatal (do governo em suas diferentes instâncias).

A emissão de Nota Fiscal Eletrônica começou de forma progressiva, tornando-se em primeiro momento obrigatória para empresas que exerciam atividades operacionais específicas. Principalmente para os contribuintes do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e/ou do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

O projeto da NF-e foi iniciado em 2006 e, no decorrer dos anos, mais tipos de negócio passaram a ser escolhidos para emitirem a NF-e. E isso inclui optantes do Simples Nacional e agora passa a valer para todos os tipos de empresas.

Sistema de Gestão Empresarial (ERP)

Os sistemas ERP são uma forma facilitada e eficiente de se enquadrar nessa nova exigência e há alguns que sequer pesam no bolso do empresário.

Alinhado ao formato de desburocratização do pagamento de impostos do Simples Nacional, o ERP garante que as operações do negócio, qualquer que seja o tamanho, sejam completamente informatizadas. Ou seja, integrando dados de vendas, estoque, área de contabilidade e área fiscal, tudo em uma mesma plataforma.

Para quem é Simples Nacional, o fato de se ter a documentação digital nesse sistema é uma garantia a mais de que não haverá problemas no cumprimento das leis fiscais do Governo em relação à NF-e. Há outras vantagens: diminuir erros administrativos, já que o preenchimento é feito com dados padrões, reduzir custos, e gerar eficiência na inserção da nota e no lançamento no sistema da Sefaz.

Penso que automatizar essas operações para qualquer empresa é um caminho bastante inteligente e ainda mais interessante se considerarmos que há soluções sem custo nenhum para o dono do negócio. Cabe aqui a escolha de um software que seja customizado de acordo com as necessidades do cliente, seja ele atuante no atacado, varejo, indústria ou prestador de serviço.

Afinal, é cada vez mais próxima a noção de que a gestão empresarial pode e deve ser automatizada para garantir mais segurança, resultados melhores e agilidade na rotina de micro e pequenas empresas.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.