Acesso rápido

Modelo de atribuição desvenda caminho para as compras online e mostra o responsável pelos resultados

por Bruno Pompeu Quarta-feira, 05 de dezembro de 2018   Tempo de leitura: 7 minutos

Qual o caminho percorrido por um consumidor que adquire um produto pela internet? Quais fatores influenciaram sua decisão e interferem para o clique final no botão de compra? Será que ele já tinha visto o produto em um display? Ou assistido um vídeo informativo? Ou recebido uma newsletter com ofertas? As transações na internet passam por um longo caminho até sua concretização e essa jornada tem mudado muito nos últimos anos.

Porém, especialmente após o surgimento dos links patrocinados, observamos uma ênfase exagerada no modelo de last click na hora de planejar os investimentos em mídia e estabelecer o crédito pelos resultados. Nesse caso, leva-se em consideração somente a última página em que o consumidor clicou para realizar a compra. A entrega sobre demanda reprimida, baseada nas necessidades do usuário, quase sempre, leva todo o crédito pela compra, ignorando todas as etapas e variáveis que compõem esse longo processo.

No entanto, existem outros fatores que levam uma pessoa a optar por um produto de uma determinada marca em um determinado momento. Antes de ser efetivamente adquirido, é preciso que o produto esteja bem posicionado na mente dos consumidores. É isso que as marcas precisam perseguir. Em vez de focar na performance, é preciso entender o por quê aquele consumidor estava lá.

Entra em cena o modelo de atribuição, que propõe uma nova maneira de calcular a jornada do consumidor. Ele abrange desde o primeiro anúncio até o clique no botão de compra para entender como cada uma dessas etapas contribuiu para a conversão.

Ao comprar um tênis de corrida, por exemplo, será que o consumidor quer um produto da Adidas, da Mizuno ou da Asics? Ou busca simplesmente o artigo mais barato? Existe todo um trabalho de branding que precisa ser feito para a marca estar sempre no “top of mind” dos consumidores. Portanto, o branding jamais pode ficar de fora do planejamento orçamentário de uma campanha digital. Isso pois é ele que permite compreender em profundidade a opção por uma marca específica.

Uma pesquisa recente apresentada pelo eMarketer durante o evento Programmatic I/O, que ocorreu em Nova York, mostrou que as marcas estão perdendo o momento da compra em quase 30% baseado no índice de preferência. Ou seja, as pessoas não estão mais comprando marcas, como resposta a este movimento gerado pelo foco em performance dos últimos 10 anos, que concentrou os investimentos em um único pilar. Marcas e anunciantes precisam caminhar na direção contrária e prestar mais atenção aos outros pilares que compõem este processo.

Quando observamos a jornada do consumidor e construímos um modelo de atribuição, conseguimos identificar quais fatores nortearam sua decisão. Esta pode ser determinada pela mensagem de e-mail enviada poucos minutos antes da compra, ou pelo vídeo que possibilitou um novo encontro com a marca. Identificando todos os canais, é possível saber quais foram determinantes e quais desempenharam um papel secundário.

O mapeamento dos canais deixa de ter um papel secundário quando atrelamos a coleta de dados do usuário à base em comportamento. Assim, podemos identificar o sentimento ou comportamento desse internauta em cada etapa da jornada.

Conseguimos também entender o interesse desse consumidor ou o sentimento dele nos momentos em que dispara a decisão pela compra. Tal qual os fatores que influenciam o consumo de um determinado produto. Assim, com essas informações e a jornada de device, temos uma ferramenta para realizar analises preditivas e modelos de atribuição diferenciados, além de insights sobre oportunidades de produtos e mercado.

É com esse minsdet que estruturamos o nosso modelo de negócios. Pensamos que o modelo de atribuição não pode ser focado apenas no last click, mas sim abranger desde o topo do awareness, conhecendo todos os momentos em que ocorre impacto ao consumidor, para entender o melhor momento, o melhor target e a melhor forma de falar com ele, para que, finalmente, tome a decisão de consumir o produto do meu cliente.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.