Acesso rápido

Marketplaces, e-commerce e o aumento de vendas no mercado de moda

por Nathan Moojen Terça-feira, 10 de abril de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

Os marketplaces faturaram, segundo o 37º Webshoppers apresentado pela Ebit, R$ 73,4 bilhões do total deste valor, levando para a conta 60% do total das vendas feitas pela internet no Brasil.

Assim como nos últimos anos, 2017 não foi diferente. A categoria de moda foi o segmento que mais vendeu na internet em termos de volume de vendas, responsável por 14,2% do total de pedidos.

Mesmo com várias discussões a respeito do assunto, alguns ainda se perguntam: “por que eu escolheria um marketplace ao invés de um e-commerce próprio?”. Ou então, “por que teria um e-commerce e também estaria em um marketplace?”.

Vou tentar te ajudar a responder a estas questões. A maior vantagem de estar em um marketplace — sem dúvida — ainda é em relação aos custos. Para se vender online hoje por meio de um e-commerce próprio é necessário levar em consideração algumas coisas importantes, como:

– Desenvolvimento da plataforma;
– Manutenção da plataforma;
– Investimento em comunicação (divulgação da sua loja virtual);
– Equipe para gerenciamento da plataforma (acompanhamento de pedidos, cadastro de produtos, entre outros);
– Questões como logística, atendimento ao cliente, pagamentos, segurança, entre outros.

Além do custo, existem outras vantagens de estar em um marketplace:

1 – Visibilidade – Você deve ter em mente que, ao colocar seus produtos em um marketplace, eles serão vistos por milhares ou até milhões de pessoas.

2 – Mais vendas – A teoria é simples: quanto mais lugares seu produto for exposto, mais chances você tem de vender.

3 – Relevância em SEO – A partir do momento que seus produtos estão em um marketplace você ganha, por tabela, mais relevância em SEO, tendo mais chances de se destacar nos sites de buscas.

4 – Suporte – A maioria dos marketplaces dá suporte ao atendimento ao cliente, logística dos seus produtos e segurança de pagamento, fazendo com que você não precise se preocupar com estas questões.

Atualmente ainda é mais comum encontrarmos plataformas marketplace do tipo B2C (business-to-consumer), como Dafiti, Privalia, ou Netshoes. Entretanto, não podemos esquecer de um segmento que está reagindo e se modernizando no Brasil nos últimos tempos: o B2B (business-to-business). Como exemplo de um marketplace B2B temos a modaonline, uma plataforma com vendas exclusivas no atacado, própria para atender a todos os segmentos.

Os maiores erros cometidos pela maioria dos sellers ao começar a vender em um marketplace, independente do segmento, são: não se atentar ao seu estoque (o estoque não da conta da demanda de pedidos); o prazo para repasse das vendas (em alguns casos, o seller demora mais tempo do que pensava para receber o dinheiro).

Não existe uma fórmula para o sucesso, mas acredito que o mais recomendado para o empresário de moda é ter um e-commerce próprio e estar em um marketplace. Porém, como foi dito anteriormente, existem várias questões a serem levadas em consideração. Se você está começando agora com vendas online, recomendo não se aventurar em um e-commerce próprio sem antes ter conhecimento sobre o negócio.

Lembre-se: vender online é, basicamente, abrir uma nova loja.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.