Marketplace reverso: entenda como funciona e seu impacto no mercado

por Gabriela Giacomini Segunda-feira, 06 de novembro de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

O fato do marketplace ser uma possibilidade de vendas online para quem atua na internet já não é mais uma novidade. A modalidade ganhou bastante relevância no mercado online brasileiro nos últimos anos e segue registrando crescimento. Mas indo mais além, você já ouviu falar sobre marketplace reverso”?

Funcionando como mais uma oportunidade de rentabilizar, o marketplace reverso é apontado com uma tendência para os grandes varejistas que buscam aumentar seus resultados. Isso iniciou forte mesmo neste ano aqui no Brasil, sendo implantado com cada vez mais frequência nos negócios. A seguir você irá entender:

  • O que é o Marketplace Reverso e como ele funciona (veja exemplo!)
  • Qual a diferença para o Marketplace “tradicional”
  • Quais empresas do Brasil já praticam esse modelo reverso
  • Fatores que podem ser negativos nessa alternativa de marketplace
  • O que muda para os sellers
  • Quais as expectativas do marketplace reverso

Como ponto de partida iremos começar pelo simples:

O que é o marketplace reverso e como ele funciona

Marketplace reverso é quando um canal de vendas que já opera no formato marketplace faz uma parceria com outro canal de vendas online, ou seja, replica o mix de produtos entregue por terceiros para o novo canal de vendas comercializar.

Um exemplo prático:

Um canal “X” de marketplace abrange vários produtos: aqueles que ele tem no próprio estoque, que ele mesmo compra e estoca, e os produtos dos sellers, os lojistas que estão vendendo via marketplace dentro desse canal. 

Ok, mas o que então é o marketplace reverso?

Você como dono de um grande marketplace decide fazer uma parceria com esse canal X que citamos acima – que também é um marketplace – firmando um contrato para que ele venda os produtos dentro do seu canal via integração. Nisso é puxado um determinado mix de produtos a serem ofertados dentro do seu marketplace.

O marketplace reverso é exatamente isso: é “reverso” pois é um marketplace vendendo dentro de outro marketplace, replicando os produtos dentro de outro canal.

Qual a diferença para o Marketplace “tradicional”

A diferença é que o canal que utiliza o formato de marketplace reverso pode ter um portfólio de produtos extremamente maior que o marketplace tradicional, pois além dos produtos que já possuí, terá a oportunidade de acrescentar inúmeras linhas que estão disponíveis em outros canais.

Quais empresas do Brasil já praticam esse modelo reverso

Algumas empresas já utilizam o marketplace reverso no Brasil, como: Via Varejo, Amazon, Walmart, Buscapé, Webcontinental, Cissa Magazine e Ricardo Eletro – esse último é o seller com a maior venda no canal B2W atualmente.

Nesse momento você pode estar se perguntando se existe algum segmento que utilize mais o marketplace reverso, e nós respondemos: isso varia de acordo com a necessidade dos negócios.

Para explicar essa questão, vale lembrar o case dos reversos praticado entre Saraiva e Walmart, onde a rede de livrarias fez uma parceria com a gigante varejista para vender determinadas categorias, englobando produtos de terceiros, dentro desse outro marketplace.

Podemos entender a motivação dessa negociação a partir da entrada da Amazon nesse mercado, vista como uma ameaça considerando que o forte da poderosa empresa é a venda de livros e agora está atuando de forma agressiva em multicategorias.

Assim, o Walmart teria decidido entrar em novas categorias para competir com a Amazon, levando em conta também que os livros geram um tráfego muito grande.

Resumindo, o case mostra como a aposta estratégica em categorias mais interessantes é a grande sacada do marketplace reverso. Portanto, é relevante deixar claro que a ideia desse modelo é atuar apenas em categorias que são necessárias e com espaço para ganhar forças, e não investir no total de produtos cadastrados na plataforma.

Fatores que podem ser negativos nessa alternativa de marketplace

É sempre válido considerar possíveis pontos contra em um novo modelo de negócios. No caso do marketplace reverso, um ponto que pode vir a ser negativo é a possibilidade de todos os marketplaces maiores terem a mesma negociação e os mesmos produtos. Por outro lado, ao mesmo tempo pode-se pensar em soluções para destacar-se em meio a essa briga mais apertada.

Se isso se confirmar, a agressividade de ações de mídia e marketing dentro desses canais pode ser um diferencial na jornada do marketplace reverso, influenciando na quantidade de acessos ao criar estratégias para atrair visitação.

Apesar dessa possibilidade, esse cenário descrito acima ainda não é uma realidade, pois cada canal tem sua carteira de clientes e a ideia é explorar o mix de produtos de acordo com cada necessidade.

O que muda para os Sellers

Por mais que a lógica do marketplace reverso atinja diretamente o grande varejo – no momento em que a negociação é de responsabilidade dos próprios marketplaces -, não podemos ignorar as mudanças que podem ser acarretadas para os sellers.

Quando algum seller entra em algum marketplace, no contrato existe uma especificação com a autorização para replicar os produtos em outros canais ou de parceiros – que seria o caso do marketplace reverso.

Por isso, no momento que isso é algo contratual e acaba sendo assinado, mesmo que alguns lojistas não tenham conhecimento, o marketplace tem o direito de exibir os produtos cadastrados em outros espaços.

Na prática, o que muda para os sellers é essa permissão dos marketplaces para replicar seus produtos em outros canais – o que acaba na teoria trazendo benefícios a todos por proporcionar mais visibilidade ao negócio. O fluxo de pedidos segue a mesma lógica do que a atuação no marketplace “original”, com o estoque, o envio dos produtos e o preço sob responsabilidade do próprio lojista.

Quais as expectativas do marketplace reverso

Em resumo, com a busca incansável desses canais de venda em oferecer um mix completo aos seus clientes, a tendência de que o marketplace reverso evolua em uma velocidade ainda maior está cada vez mais próxima.

E você? O que achou dessa ideia? Compartilhe através de um comentário.

 

Artigo publicado com autorização do autor. Original aqui.

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Leads Qualificados: Dialhost Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss People Marketing: Dialhost

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.