Acesso rápido

Marketplace da indústria: o que é e como funciona

por Franklin Bravos Quinta-feira, 13 de setembro de 2018   Tempo de leitura: 4 minutos

Sabemos que investir em um e-commerce atualmente é uma ótima alternativa para quem deseja aumentar os lucros, afinal esse mercado vem prosperando cada vez mais. Porém, as grandes marcas e indústrias têm encontrado algumas dificuldades em migrar ou incorporar esse tipo de operação.

Além de encontrar muitos obstáculos na criação de uma loja virtual, a indústria ainda não consegue atingir o consumidor final, pois já tem uma rede de distribuição bem estabelecida e não pode “quebrar” isso. Quando uma grande marca monta um e-commerce próprio, ela pode arrumar uma briga muito grande com seus revendedores.

Uma das soluções para esse problema é a indústria/marca criar um marketplace. Desta forma, ela poder fazer a venda para o consumidor final, sem quebrar a rede atual de distribuição. Ela pode inclusive fortalecer essa parceria, afinal neste modelo de negócio é a marca que promove as vendas.

Você provavelmente já ouviu falar muito em operações em marketplaces e sabe como funciona. Na indústria, o processo é bem parecido, mas acho importante esclarecer alguns pontos. Vamos lá.

Como funciona?

Quando falamos de marketplace para indústria, sempre surgem algumas dúvidas. Entretanto, este processo pode ser mais simples do que se imagina.

Neste modelo de negócio, a venda é feita por meio de um lojista/revendedor, que exporta seus produtos dentro do site da própria indústria, ou marca que ele representa.

A logística fracionada (transporte de pequenas remessas que cobra apenas o frete referente à mercadoria enviada) costuma ser um problema para as grandes indústrias. Por isso, nesse modelo de negócio o objetivo é transferir a logística para o revendedor, já que ele provavelmente já tem o produto em estoque e está fisicamente mais próximo do consumidor. Além dessa facilidade na entrega, o processo permite que o consumidor compre no marketplace e retire na loja física.

O lojista enxerga muitas vantagens neste modelo de negócio, pois existem várias possibilidades e todas levam ao aumento dos lucros. Ele pode ter seu próprio e-commerce e fazer a integração com o marketplace da marca, ou postar manualmente os produtos para venda dentro do painel do marketplace, por exemplo.

Outra preocupação muito frequente das grandes marcas é em relação a concorrência entre os revendedores dentro do marketplace. Nestes casos, a própria indústria/marca dona do marketplace é quem define os parâmetros para essa “competição”. A ordem pode ser pelo menor preço, loja melhor avaliada pelos consumidores, quem tem menos ou mais estoque, quem fez a última venda etc. Além disso, é possível combinar todas essas condições e filtrar o revendedor que mais se encaixa às necessidades do consumidor.

Vantagens não faltam para os dois lados. Sem dúvida, essa é uma ótima alternativa tanto para o revendedor. Afinal, ele terá seus produtos promovidos gratuitamente tanto pela marca, quanto para a indústria. E conseguirá atingir o consumidor final sem quebrar sua rede atual de distribuição.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.